Dez fatos que marcaram o primeiro ano de Haddad na Prefeitura de São Paulo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Prefeito enfrentou manifestações de junho, críticas contra alta do IPTU, denúncias de corrupção, violência na Virada Cultural e termina o ano com a popularidade em baixa

A redução do aumento da passagem de ônibus é o fato que ficará marcado na memória do paulistano como o principal do primeiro ano de Fernando Haddad (PT) à frente de São Paulo. O petista prometeu e adiou o reajuste de R$ 0,20 de janeiro para junho, e acabou inaugurando o mês de protestos em que o Movimento Passe Livre (MPL) tomou as ruas da capital, dia sim, dia não, até conseguir a tarifa antiga de volta.

Conheça a nova home do Último Segundo

Haddad encerra 2013 com a popularidade em baixa (18%, segundo Datafolha de julho), marcada pelo aumento do IPTU, denúncias de corrupção envolvendo o alto escalão da Prefeitura, mas também com avanços como a ampliação de canais de participação da sociedade civil como o Conselho da Cidade e o Conselho Participativo, e o aumento por duas vezes da meta de construção de corredores. Primeiro estabelecida em 150 km, a meta de 220 km para os quatro anos de governo foi batida em outubro.

Protestos contra o aumento de R$ 0,20 na passagem de ônibus marcaram o primeiro ano de Haddad na Prefeitura . Foto: Futura PressAo lado do governador Geraldo Alckmin, Haddad anuncia a redução do preço da passagem de ônibus e metrô depois de um mês de protestos na capital. Foto: DivulgaçãoArrastões e mortes marcaram a primeira Virada Cultural comandada por Haddad. Foto: Susan SouzaCâmara Municipal aprovou o polêmico aumento do IPTU em São Paulo, prejudicando a popularidade de vereadores e do prefeito . Foto: DivulgaçãoCâmara aprova fim da inspeção veicular para carros novos em São Paulo e ajuda Haddad a cumprir parcialmente a promessa de fim do controle na capital. Foto: Agência BrasilPara incentivar o uso de transporte público, Haddad construiu mais de 220 km de corredores de ônibus só em 2013. Foto: AEO bilhete único mensal, outra promessa de campanha de Haddad, custa R$ 130 por mês e permite uso ilimitado em ônibus. Foto: AYRTON VIGNOLA/AEHaddad criou a Controladoria Geral do Município, responsável por fiscalizar a conduta de servidores da Prefeitura. Foto: Divulgação/Prefeitura de São PauloEm uma das investigações, a Controladoria descobriu uma fraude de mais de R$ 500 milhões no recolhimento do ISS, com suposto envolvimento do secretário de Governo Antonio Donato, que pediu afastamento . Foto: Facebook/ReproduçãoHaddad criou o Conselho da Cidade e o Conselho Participativo, como parte de sua estratégia de aumentar a participação da população na administração. Foto: Gabriela Bilo/Futura Press


Os dez fatos que marcaram o primeiro ano de Haddad:

1. Inspeção veicular: Câmara desobriga fiscalização em carros novos 

2. Metas: Haddad diz que será possível monitorar pela internet

3. Virada Cultural: Prefeitura de São Paulo tenta despolitizar violência

4. Manifestações: Protesto ganha ruas da capital e deixa rastro de destruição

5. R$ 0,20: Haddad e Alckmin anunciam redução no preço da passagem

6. Conselhos: Haddad marca eleições para ampliar 'democracia direta'

7. Imposto maior: Câmara aprova aumento do IPTU 

8. Corrupção: Operação prende auditores suspeitos de desvio milionário 

9. Bilhete Único mensal: Promessa de campanha entra em vigor

10. Alvo de denúncia: Secretário de Haddad pede afastamento do cargo

Leia tudo sobre: Haddadigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas