Deputado é um dos 25 condenados no mensalão e foi o terceiro condenado no processo a entregar o cargo

O deputado federal Pedro Henry (PP-MT) renunciou ao mandato e se entregou à Polícia Federal, nesta sexta-feira, após o Supremo Tribunal Federal (STF) determinar sua prisão. Henry é um dos 25 condenados no mensalão, esquema de desvio de recursos públicos usados para a compra de apoio parlamentar a projetos de interesse do governo federal. O deputado pegou sete anos e dois meses de detenção pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia tudo sobre o julgamento do mensalão

Pedro Henry, apontado como beneficiário do mensalão estava no seu 5º mandato na Câmara.
Agência Brasil
Pedro Henry, apontado como beneficiário do mensalão estava no seu 5º mandato na Câmara.

Antes de se entregar, em texto dirigido a Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara dos Deputados, o parlamentar declarou sua inocência e diz não querer expor a instituição.

Mandado:  STF decreta prisão de mais um deputado condenado por envolvimento com mensalão

"Apesar de abreviar em um ano este mandato, meu sentimento é de dever cumprido para com os Mato-grossenses", afirmou no texto.

Na carta, o parlamentar argumentou que foi condenado apesar da ausência de provas, além de dizer que tentou provar inocência, mas teve negado o direito de duplo grau de jurisdição para garantir a defesa. 

Leia também:  Barbosa decreta fim do processo do mensalão para mais dois réus

A renúncia protocolada na secretaria da Mesa da Câmara dos Deputados suspende a reunião agendada para a próxima quarta-feira (18) quando o colegiado decidiria sobre a abertura do processo de cassação do deputado. De acordo com assessores da Casa, a carta de renúncia será lida na primeira sessão da segunda-feira (16), mas o pedido já foi registrado e considerado como oficial pela Câmara.

Outros dois ex-deputados condenados no mesmo processo e já presos, José Genoino e Valdemar Costa Neto , também optaram por renunciar aos mandatos para não enfrentar processo de cassação.

* Com Agência Brasil e Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.