O Perrella do PT diz que sua imagem sofre prejuízo e reclama de gozações

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Petista tem o mesmo sobrenome do deputado Gustavo Perrella (SDD-MG), dono de um helicóptero com 445 quilos de cocaína preso no Espírito Santo

Brasil Econômico

O petista Miguel Perrella, subprefeito da Penha, na zona leste de São Paulo, diz ter sofrido prejuízos a sua imagem nas últimas semanas por causa da apreensão de um helicóptero com 445 quilos de cocaína no Espírito Santo. A aeronave é de propriedade de uma empresa do deputado Gustavo Perrella (SDD-MG), filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG), ex-presidente do Cruzeiro. Os dois negam envolvimento. “Mas eu estou pagando por algo que não tem nada a ver comigo”, reclama o militante histórico do PT. Miguel é alvo o tempo inteiro de gozações. “E ainda tenho de ouvir: 'eu sabia que o PT estava no meio disso. Tem de prender mesmo'. E perguntam se eu sou sócio, se a Penha está no esquema”, relata o inconformado Perrella do subúrbio, ligado a movimentos sociais.

O petista diz ter ficado com raiva, principalmente, por ser um “verdadeiro Perrella” , enquanto a família de políticos mineiros com ligações no futebol se apropriou do nome italiano. O hoje senador Zezé comprou em Minas Gerais, em 1988, o Frigorífico Perrella. José de Oliveira Costa, o Zezé, nascido em São Gonçalo do Pará (PA), fez um acordo com a família italiana e passou a usar o sobrenome. Depois, o frigorífico faliu. O primeiro imigrante Perrella veio de Bujano, província de Isernia, no sul da Itália. A família vendia banha em Belo Horizonte, no início do século passado. “Eu sou um verdadeiro Perrella. Eles, não. E a família verdadeira está pagando o pato, indevidamente”, diz o petista. Parte dos netos e bisnetos, donos de construtora e restaurante em Minas, entre outros negócios, se mostra contrariada com o acordo feito com o senador.

The book is on the table

Acusado por tucanos de “deturpar” o conteúdo de documento em inglês sobre denúncias do cartel do Metrô em São Paulo, ao fazer a tradução, o deputado licenciado Simão Pedro (PT) agora está estudando a língua.

Agradando geral

Defensor de uma inusitada aliança com o PSDB no Mato Grosso do Sul, o pré-candidato do PT ao governo, Delcídio do Amaral, agora elogia o PMDB. “Tenho uma relação positiva e pró-ativa com o governador (André Pucinelli) e com a Simone (Tebet, vice-governadora)”, diz o petista.

ONGs: projeto segue na Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara concluiu ontem votação do substitutivo a projeto para regulamentar as relações entre o Poder Público e as ONGs e Oscips. A proposta, de autoria do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), estabelece normas para licitações e contratações.

Plim, plim

Saia justa para a TV Globo do Amapá. Seu principal âncora no jornalismo, Seles Nafes, também é assessor do empresário Luciano Marba, do ramo de segurança, preso recentemente pela PF sob acusação de mandar matar o sócio. Este segundo patrão de Seles Nafes também responde à Justiça por manipulação do futebol local, atividade hipersensível para a TV Globo.

Deu no New York Times

A Associação Saúde Criança, experiência inovadora do Rio de Janeiro na área de saúde, foi tema de artigo de David Bornstein, ontem, no New York Times. O jornal chama a atenção para o trabalho da ONG que ajuda famílias pobres com crianças doentes a sair da situação de miséria. Um estudo de pesquisadores da Universidade de Georgetown, citado no artigo, mostra que o Saúde Criança conseguiu uma diminuição de 85% nas internações e o aumento de 92% na renda familiar dos atendidos.

“É um grito da população para todos os governantes dizendo que não é possível aumentar mais impostos"

Rogério Amato, presidente da Associação Comercial de São Paulo, ao comemorar decisão da Justiça que suspende o aumento do IPTU na capital paulista

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas