Aécio Neves caminha para montar chapa pura para disputa presidencial

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Em meio às tensões com José Serra, senador discute alocar aliado do ex-governador paulista na vice em vez de ceder a vaga a um partido aliado

Mesmo diante da necessidade de segurar partidos como o DEM e o Solidariedade (SDD) na coligação para a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência, o PSDB decidiu priorizar a montagem de uma chapa pura para a corrida eleitoral do ano que vem. Por enquanto, as negociações caminham internamente para usar a vaga de vice para apaziguar a relação com o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB), que resiste em apoiar o mineiro no projeto nacional.

Conheça a nova home do Último Segundo

Pressão para que Serra dispute vaga no Legislativo tensiona relação com Aécio

De acordo com dirigentes do PSDB, a solução mais provável para a vice de Aécio será caseira. Os tucanos falam em lançar o senador Aloysio Nunes Ferreira, aliado de primeira hora de Serra, que já se incorporou à pré-campanha de Aécio. Ferreira desconversa, mas não nega a combinação. “Ainda está muito cedo para falar sobre isso”, disse o senador.

Serra não tem participado de eventos políticos organizados para dar corpo à candidatura de Aécio. Outros aliados próximos do ex-governador, como o ex-governador Alberto Goldman e o senador Alvaro Dias (PR), também já se aproximaram da equipe de Aécio.

Futura Press
De acordo com dirigentes do PSDB, a solução mais provável para a vice de Aécio será caseira

Poder Online:

PSDB vê PPS cada vez mais distante

Antes da campanha, Aécio planeja última escapada no fim do ano

Embora alguns dirigentes do partido aleguem que ainda é cedo para convergir para uma definição sobre a vaga de vice, os tucanos confirmam que a opção caseira tem sido cogitada. “O próprio Aécio já fez elogios fortes ao senador Aloysio Nunes”, lembrou o presidente do PSDB de São Paulo, Duarte Nogueira. “No entanto, é preciso ter cuidado para não dividirmos nossos exércitos”, ressalvou.

Mesmo sem oferecer a vice para aliados, Aécio Neves (PSDB-MG) tem se esforçado para manter na coligação os Democratas e o Solidariedade, principalmente após a debandada do PPS, que avança para apoiar o candidato do PSB, Eduardo Campos, na corrida presidencial. Restou a Aécio garantir a coligação formal com esses dois partidos para ter tempo de TV na campanha.

Aécio Neves: 'Ganhar em SP é caminho para vencer no Brasil'

Justiça de São Paulo manda ao STF inquérito sobre cartel de trens

Com o SDD, a aliança está fechada, garantem os tucanos. Já no DEM, será necessário equacionar problemas com a bancada na Câmara, que tem optado por encorajar o lançamento da candidatura do líder da legenda, deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), à Presidência da República.

Os deputados do DEM alegam que, ao longo dos anos, a aliança com o PSDB não tem contribuído para que o partido cresça. Após a saída dos quadros importantes para o PSD, partido criado no ano passado pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, deputados que ficaram na legenda temem não ter condições de se reelegerem na coligação.

O DEM começou a atual legislatura com 43 deputados, restam 25 no exercício de seus mandatos. Em janeiro deste ano, no congresso do partido, a decisão foi de priorizar a eleição de deputados federais e deixar as bancadas locais livres para se coligarem como bem entenderem. Uma possível candidatura de Caiado, na opinião da maior parte da bancada, serviria para dar mais visibilidade ao partido e consequentemente às candidaturas nos estados.

Por enquanto, o diálogo de Aécio com o aliado tradicional dos tucanos tem sido feito com o presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), e com o prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto, dispostos a levar o partido para a coligação.

Caiado, por sua vez, tenta resolver seus problemas em Goiás. Rompido com o governador Marconi Perillo (PSDB) desde 2003, o líder dos Democratas na Câmara cogita sua candidatura ao Planalto e não descarta disputar uma vaga no Senado, caso haja condições de compor com o PMDB local.

Isso dependerá de como o PMDB e o PT se comportarão na aliança defendida nacionalmente entre as duas legendas. O rompimento poderá ocorrer caso o PT leve a frente a ideia de lançar candidato próprio ao governo do estado. Nos últimos dias, a contragosto da direção nacional petista, essa ideia começou a ganhar corpo em Goiás. Caiado tem conversado com o peemedebista Iris Rezende, possível candidato ao governo, sobre a possibilidade de uma composição.

Leia tudo sobre: aécio neveseleições 2014psdbjosé serra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas