Costa Neto renuncia ao mandato, admite erros e diz que vai se entregar

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O deputado soube da expedição do mandado de prisão nesta tarde, quando estava na Câmara. Ele disse ainda que prefere não comentar decisões tomadas pela Justiça

Alan Sampaio / iG Brasília
Costa Neto foi condenado pelo STF por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha

O deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), condenado a 7 anos e 10 meses pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo que apurou o esquema do mensalão, informou, por meio de sua assessoria, que reconhece ter cometido erros e que, assim que for informado oficialmente sobre sua prisão, irá se entregar.

Genoino renuncia ao mandato de deputado para evitar cassação

Após saber da ordem de prisão, Costa Neto renunciou ao mandato na Câmara. A carta foi lida pelo deputado Luciano de Castro (PR-RR): “Reitero que fui condenado por crimes que não cometi. Serenamente, passo a cumprir uma sentença de culpa, flagrantemente destituída do sagrado duplo grau de jurisdição”.

Barbosa manda prender Costa Neto e outros três condenados do mensalão

Conheça a nova home do Último Segundo

Joaquim Barbosa agora adota cautela nas prisões do mensalão

Reprodução
Carta de renúncia de Valdemar Costa Neto

A prisão de Valdemar foi autorizada nesta tarde e deverá ocorrer ainda hoje. Além do deputado do PR, mais três condenados do mensalão também tiveram suas prisões decretadas: os ex-deputados Pedro Corrêa (PP-PE) e Bispo Rodrigues (ex-PL, atual PR) e o ex-funcionário do Banco Rural Vinicius Samarane.

A Polícia Federal já está em posse dos mandados expedidos. Uma equipe já foi mobilizada para cumprir as ordens de prisão e todos os advogados já foram comunicados. A expectativa da PF é de que todos se entreguem nas próximas horas.

Costa Neto preferiu não falar pessoalmente sobre o assunto, alegando que prefere não comentar decisões judiciais. O deputado, que mora em Brasília, estava na Câmara na tarde desta quinta-feira quando ficou sabendo sobre a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, de rejeitar os embargos infringentes apresentados por sua defesa.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas