Juiz nega prioridade à análise de proposta de trabalho de Dirceu

Por Wilson Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-ministro foi contratado para trabalhar como gerente de hotel em Brasília com salário de R$ 20 mil. Proposta 'não é mais frágil e suscetível que as demais', diz magistrado

O juiz da Vara de Execuções Penais (Vepe) do Distrito Federal, Vinícius Santos Silva, negou parcialmente o pedido de tramitação prioritária para a proposta de trabalho externo entregue pelo ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu.

Conheça a nova home do Último Segundo

Controlado por amigo de Dirceu, hotel já pertenceu a Sérgio Naya

Dirceu terá salário de R$ 20 mil se for autorizado a trabalhar em hotel

ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA
Fachada do Hotel Saint Peter, onde José Dirceu receberá um salário de R$ 20 mil

A defesa de Dirceu ingressou na semana passada com uma petição na Vepe do DF requerendo que ele trabalhe no hotel Saint Peter, na região central de Brasília. Dirceu foi contratado para ganhar o salário de R$ 20 mil como gerente administrativo. Ele já tem carteira assinada, mas precisa de uma autorização da Vepe para começar a trabalhar.

Os advogados do ex-ministro chefe da Casa Civil ingressaram com uma petição requerendo que a proposta de trabalho tramitasse de forma prioritária pelo fato de Dirceu ter mais de 60 anos. O juiz Vinícius Santos Silva determinou que a analise dos estudos técnicos de idoneidade da proposta de emprego do ex-ministro ocorra apenas após a análise das propostas já pendentes na Seção Psicossocial da Vepe.

Segundo o juiz “a proposta de emprego do ora sentenciado José Dirceu não é mais frágil e suscetível de perecimento que as demais que aguardam, há mais tempo, o estudo da (sessão) Psicossocial acerca da idoneidade”. “É fato inegável que os sentenciados, boa parte deles composta de analfabetos, estão na fila prioritária de análise da proposta e teriam um risco iminente de ter as propostas simplesmente retiradas pelo pretenso empregado, caso ficassem atrasadas porque sobrepujadas pela proposta recém chegada do ora sentenciado”, afirma o juiz. “Há que se respeitar a ordem dos estudos técnicos que gozam igualmente de prioridade e já iniciados há mais tempo”, complementa.

Pena menor: presos do mensalão buscam trabalho até em biblioteca 

Pedido de Dirceu para trabalhar em hotel pode não ser aceito, indica Mello

Na noite desta terça-feira, o Jornal Nacional revelou que um dos donos do hotel Saint Peter, identificado como José Eugênio Silva Ritter, é morador de um bairro pobre da Cidade do Panamá. Ele é auxiliar de escritório da empresa da Morgan y Morgan, uma empresa responsável pela administração de outras companhias internacionais com sede no Panamá.

Ministros do Supremo Tribunal Federal afirmaram que é preciso “cautela” na análise da proposta de emprego de Dirceu. “É uma questão que precisa ser analisada com cautela pela Vara de Execuções Penais certamente em entendimento com a relatoria aqui do processo no Supremo Tribunal Federal. O pedido é livre, mas, de fato, tem que haver bastante cautela por parte de quem decide para que não ocorram abusos. É preciso ter toda a cautela e com certeza a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal tomará todas as cautelas devidas”, afirmou o ministro Gilmar Mendes.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas