Renúncia de Genoino na Câmara foi gesto de 'mágoa' do PT

Por Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Partido só apresentou carta do deputado abrindo mão do mandato após presidente da Câmara orientar a Mesa Diretora a votar pela abertura de processo de cassação

A apresentação da carta de renúncia do deputado licenciado e condenado pelo mensalão José Genoino (SP) foi ato desesperado do PT para evitar a exposição do parlamentar e evitar um inevitável desgaste público proporcionado pelo voto aberto em plenário. A decisão foi também um gesto de "mágoa" petista com o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), segundo o primeiro-vice presidente André Vargas (PT-PR).

Conheça a nova home do Último Segundo

Genoino renuncia ao mandato de deputado para evitar cassação

Genoino se diz inocente: ‘Jamais acumulei patrimônio ou riqueza’

Agência Câmara
O presidente da Câmara, Henrique Alves, chega para reunião da Mesa Diretora

A reunião da Mesa Diretora que decidiria a abertura de um processo de cassação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi iniciada com discurso de Alves, que sinalizou ser impossível prorrogar a decisão para depois do vencimento da licença dada por uma junta médica a Genoino. O deputado estava oficialmente licenciado para tratamento de saúde, apesar de cumprir pena domiciliar temporária em Brasília, após ter sido condenado a 4 anos e 8 meses em regime semiaberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Vargas assumiu a palavra em seguida e rebateu Alves. O petista argumentou que o histórico de Genoino como deputado era relevante. "Acho que está se confundindo muito a opinião pública com a análise objetiva do fato", afirmou Vargas ao sair da reunião.

Leia mais: Procurador-geral dá parecer favorável a prisão domiciliar de Genoino

Barbosa autoriza transferência de presas no mensalão para Belo Horizonte

A fala do vice estava em linha com a declaração colocada por Genoino em sua carta de renúncia, na qual afirmou ser alvo de da "transformação midiática em espetáculo" de um processo de cassação.

Alves ignorou o protesto de Vargas e conduziu a votação no colegiado de sete membros. Quando o placar estava com quatro votos a favor do processo de cassação e apenas dois contrários - o de Vargas e de Biff (PT-MS), o vice presidente jogou a toalha apresentando a carta de renúncia.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas