Conselho de Ética aprova parecer pela cassação do deputado preso Donadon

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Donadon cumpre pena na Papuda desde junho após ser condenado a mais de 13 anos por desvio de dinheiro. Em agosto, ele conseguiu se livrar da cassação na Câmara

O Conselho de Ética da Câmara aprovou nesta quarta-feira (27) por unanimidade parecer favorável à cassação do deputado Natan Donadon (sem partido-RO), preso desde junho após ser condenado a mais de 13 anos por desvio de recursos. Donadon poderá recorrer do parecer no prazo de cinco dias a partir do dia 3 de dezembro.

Conheça a nova home do Último segundo

Poder Online: Cassação de condenados do mensalão não passará por conselho

Câmara absolve Natan Donadon do processo de cassação do mandato

Mensalão: Deputados querem renúncia de condenados à prisão

Agência Câmara
Deputado federal Natan Donadon (PMDB-RO)

Os integrantes do conselho concordaram com a avaliação do deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), que argumentou na representação que houve quebra de decoro porque Donadon votou contra sua própria cassação. O relator argumentou ainda que Donadon maculou a imagem da Câmara dos Deputados ao ter sido algemado e transportado da Penitenciária da Papuda (DF) em um camburão.

O deputado, condenado pelo Supremo sob acusação de ter desviado dinheiro da Assembleia de Rondônia por meio de contrato simulado de publicidade, chegou a ter seu mandato preservado no final de agosto, em votação secreta no plenário da Câmara.A  decisão trouxe desgaste para o Legislativo e fez o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), prometer não colocar mais em votação processos disciplinares contra parlamentares enquanto não fosse votado o fim do voto secreto - uma PEC com esse teor foi aprovada nesta terça pelo Senado e deve ser promulgada amanhã.

Em seu voto, o relator se disse "convicto de que o exercício do mandato representativo por um parlamentar presidiário, condenado há mais de 13 anos de reclusão em regime fechado, em sentença transitado em julgado pela mais alta Corte do País, com sua prerrogativas políticas suspensas e condições de trabalho subtraídas, configura ofensa inafastável ao decoro parlamentar".

Leia tudo sobre: donadoncâmaracassaçãoconselho de ética

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas