A informação é da deputada brasileira no Parlamento Italiano. Segundo ela, ex-diretor do BB, único foragido do mensalão, tem apoio de 'grupo muito forte'

Agência Estado

A deputada brasileira no Parlamento Italiano, Renata Bueno, afirma que recebeu informações "extra-oficiais" em Roma de que Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil e condenado a 12 anos e 7 meses de prisão pelo caso do mensalão, informou ao governo italiano, em 2010, a transferência para a Espanha de sua residência permanente. Segundo ela, o último passaporte italiano de Pizzolato foi retirado em Madri, e não no Brasil.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Itália 'destrava' tratado com Brasil sobre presos

A deputada disse ainda que ex-diretor do Banco do Brasil está tendo "respaldo" e "patrocínio por um grupo muito forte" em sua fuga. Bueno está em Roma e enviou uma questionamento oficial ao governo de Enrico Letta por informações sobre o paradeiro de Pizzolato. Por enquanto, ela ainda não recebeu informações, mas insiste que a apuração tem mostrado dados "preocupantes".

"Ele (Pizzolato) está sendo patrocinado, apoiado por um grupo muito forte, poderoso e que está fazendo uma ligação entre Brasil e Itália", denunciou. "É um apoio que permite que ele faça uma ponte para a Itália", declarou.

Leia também:

Foragido, Pizzolato só cumprirá pena se Itália aceitar extradição

Marco Aurélio minimiza fuga de Pizzolato: É preciso ‘compreender a angústia’

Procuradoria-geral pede ação para extraditar e punir Pizzolato

Segundo ela, o processo de cidadania de Pizzolato passou pelo consulado italiano em Curitiba. Mas logo foi transferido para o Rio de Janeiro. Quando o processo do mensalão começou, seu registro foi passado para o consultado italiano em Madri em 2010. "O último passaporte italiano foi retirado em Madri e é bem recente", declarou.

"Já foi de caso pensado", acusou. Ela aguarda do governo italiano uma confirmação sobre o paradeiro do fugitivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.