Delúbio é absolvido em ação por peculato e abandono de cargo de professor

Por Wilson Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão da 7ª vara criminal de Goiânia ocorreu na semana passada. Ex-tesoureiro do PT, condenado e preso no mensalão, foi acusado de receber R$ 164 mil sem trabalhar

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares foi absolvido pela Justiça de Goiás das acusações de peculato e abandono de cargo público. Ele respondia a um processo na 7ª Vara Criminal de Goiânia acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de ter recebido R$ 164,4 mil do governo estadual goiano sem trabalhar.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Ilegalidades marcam prisões do mensalão

Presos juntos: Dirceu, Genoino e Delúbio choram com histórias do passado

Segundo a denúncia do Ministério Público de Goiás, Delúbio, que foi professor de matemática da rede estadual de ensino goiana entre 1976 e 2012, teria se beneficiado de duas licenças supostamente ilegais. Uma entre 1994 e 1998 e outra entre 2001 e 2005. As investigações, entretanto, começaram apenas em 2005. O MPE alegou na época que Delúbio conseguiu essas licenças com base em “informações falsas”.

Entretanto, o juiz da 7ª Vara Criminal de Goiânia, José Carlos Duarte, determinou a extinção do processo de Delúbio na acusação de abandono de cargo público e julgou improcedente a acusação de peculato (quando o funcionário público se apropria de bens públicos ou recebe ilegalmente vencimentos do Estado). A decisão foi tomada na quarta-feira da semana passada, mas entrou no trâmite processual apenas nesta segunda-feira.

Leia também:

PT defende medidas contra Barbosa por 'abusos' nas prisões do mensalão

Barbosa autoriza prisão domiciliar ou hospitalar de Genoino até perícia médica

Em 2005, Delúbio foi alvo de um procedimento administrativo iniciado em 2005, mas concluído somente no ano passado, durante o julgamento do mensalão. Após o procedimento administrativo, Delúbio foi exonerado do cargo por abandono de função. A defesa do petista sempre argumentou que as licenças obtidas eram legais.

Delúbio está preso na penitenciária da Papuda, no Distrito Federal, cumprindo sua condenação no julgamento do mensalão de 6 anos e 8 meses pelo crime de corrupção ativa em regime semiaberto. Segundo seus advogados, ele foi comunicado nesta segunda-feira da decisão da justiça goiana.

Leia tudo sobre: mensalãojulgamento do mensalãostfdelúbio soares

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas