Estado de saúde evolui, mas Genoino segue internado

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Deputado ainda sofre de "picos hipertensivos", de acordo com boletim médico emitido na noite deste sábado

Agência Brasil

O estado de saúde do deputado José Genoino "evoluiu" nas últimas 24 horas, segundo informou boletim médico do Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF), divulgado no início da noite deste sábado (23). De acordo com a nota, "os parâmetros de coagulação sanguínea apresentaram melhoras, mas Genoino manteve picos hipertensivos". O boletim informa ainda que as doses de medicamentos estão sendo ajustadas e que Genoino permanecerá internado.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia tudo sobre o julgamento do mensalão

Supostas imagens de Genoino passando por exames médicos vazam na internet. Foto: Reprodução Diário do PoderGenoino passou mal por volta das 13h30 no presídio da Papuda, em Brasília, e foi encaminhado ao Incor (Instituto do Coração) . Foto: Reprodução Diário do PoderApós exames, ele foi diagnosticado com princípio de infarto, segundo o coordenador jurídico do PT. Foto: Reprodução Diário do PoderO petista, que se recupera de uma cirurgia cardíaca, teria passado mal duas vezes desde sua prisão. Foto: Reprodução Diário do Poder

Mais cedo o deputado passou por exames feitos por uma junta médica do Hospital Universitário de Brasília (HUB), que encaminhará um laudo ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Com base no parecer, o ministro vai decidir se Genoino volta para a Penitenciária da Papuda, em Brasília, ou se continua cumprindo a pena em prisão domiciliar.

Leia mais:

Médicos descartam infarto de Genoino

Fotos de Genoino em suposta avaliação médica vazam na internet

Barbosa autoriza prisão domiciliar ou hospitalar de Genoino até perícia médica

Valter Campanato / Agência Brasil
Deputado Renato Simões visita Genoino

Logo depois da visita da junta médica, o suplente de Genoino, deputado Renato Simões (PT-SP) esteve no ICDF. Segundo ele, o deputado preso está confiante de que o parecer dos médicos do HUB vai contribuir para a concessão da prisão domiciliar e disse que ele demonstra mais “ânimo” no hospital por estar mais seguro de que suas condições de saúde estão sendo garantidas.

Renato Simões considera a atual situação de prisão de Genoino “irregular” e diz que na penitenciária ele não terá como receber o acompanhamento de saúde necessário. “O deputado José Genonino tem problemas cardíacos gravíssimos, ainda mais na situação de convalescença em que ele se encontra, depois da cirurgia. É necessário acompanhar de forma quase que permanente as suas condições sanguíneas para adequar, a cada mudança na densidade do sangue, a dieta e a dosagem de medicamentos. Isso é feito pela família de forma permanente e, quando necessário, com o deslocamento dele para uma unidade de saúde. Na prisão não há condição de fazer esse tipo de monitoramento e de [oferecer a] atenção de que ele necessita”, alegou o deputado suplente.

Avaliação da Câmara

José Genoino aguarda ainda a visita de uma junta médica da Câmara dos Deputados que também vai examinar as condições de saúde dele para a possível concessão de aposentadoria por invalidez, solicitada por Genoino em setembro. Segundo Renato Simões, “o exercício do mandato parlamentar é fonte de tensões permanentes que são incompatíveis com a manutenção do quadro de saúde estável” do deputado, o que justifica o pedido de aposentadoria.

Se a aposentadoria por invalidez não for concedida pela Câmara, Genoino vai passar ainda por um processo de cassação de mandato. Embora a decisão do STF – que o condenou no processo do mensalão, inclua a determinação de perda automática do mandato parlamentar, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), já avisou que vai instaurar processo normal de cassação, que inclui votação em plenário. Henrique Alves disse ainda que o processo para retirar o mandato de José Genoino só começará depois que o Senado aprovar a proposta de emenda à Constituição (PEC) que acaba com o voto secreto dos parlamentares nesses casos.

Leia tudo sobre: genoinomensalãopolíticajulgamento do mensalão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas