Procuradoria é a favor da transferência de Cristiano Paz para Belo Horizonte

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Ele e os demais réus que tiveram a prisão decretada pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, estão presos, em regime fechado, na Penitenciária da Papuda

Agência Brasil

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou nesta terça-feira (19) ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer favorável à transferência de Cristiano Paz, condenado a 17 anos e oito meses de prisão na Ação Penal 470, o processo do mensalão, para Belo Horizonte (MG). Paz e os demais réus que tiveram a prisão decretada pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, estão presos, em regime fechado, na Penitenciária da Papuda, em Brasília.

Conheça a nova home do Último Segundo

Carta: Petistas pedem respeito à lei e dizem não aceitar humilhação

Veja a pena e o regime de prisão dos 12 condenados no mensalão

Mais sete condenados aguardam ordem de prisão de Barbosa

Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura Press
Cristiano Paz se entregou em Minas Gerais e foi levado de avião pela PF para Brasília

Na primeira manifestação da PGR a favor da transferência de um preso condenado no processo do mensalão, a vice-procuradora-geral da República, Ela Wieko, disse que Cristiano Paz tem direito de cumprir a pena próximo da família e de amigos. "Conclui-se que as melhores condições para a reinserção social do apenado serão obtidas através do cumprimento da pena em local próximo à residência de sua família e amigos, o que possibilita também o pleno exercício do direito de visita”, ressaltou a procuradora.

Além de Paz, seis réus foram transferidos de Belo Horizonte para Brasília no sábado (16) e também podem pedir para cumprir a pena na capital mineira: José Roberto Salgado, ex-vice-presidente do Banco Rural; o publicitário Marcos Valério; Kátia Rabello, ex-presidenta do Banco Rural; o ex-deputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG); Ramon Hollerbach,ex-sócio de Valério e Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Valério.;

Dois réus se entregaram em São Paulo: o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, e o ex-presidente do PT e deputado federal (SP) José Genoino. Eles também pediram para cumprir pena nas suas cidades de origem.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas