'Talvez nem amanhã esteja pronto', diz juiz que vai executar penas do mensalão

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Ademar Silva de Vasconcelos chamou equipe para ajudá-lo, mas diz que 'é muita coisa'. Processo tem 269 volumes

Agência Estado

O juiz da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Ademar Silva de Vasconcelos, passa este domingo (17) trabalhando sobre os 269 volumes de processo do julgamento do mensalão. "Estou tentando providenciar a execução das penas dos condenados", afirmou hoje em entrevista ao Broadcast. Ele será o responsável por encaminhar os presos para o local onde cumprirão suas penas.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Mulheres condenadas no mensalão estão presas na sede da PF

Ministros do STF questionam decisão de Barbosa sobre prisões do mensalão

Saúde precária: Genoino pede ao STF para cumprir pena em casa

Para tentar adiantar o trabalho no tempo mais curto possível, o juiz convidou parte de sua equipe para auxiliá-lo. "Mas, talvez, nem amanhã esteja pronto. É muita coisa", afirmou.

O grupo com nove condenados do mensalão saiu de Belo Horizonte e São Paulo e foi encaminhado para Brasília. Eles chegaram por volta de 18h, em um avião da Polícia Federal, e deixaram o hangar especial do aeroporto em uma van branca, acompanhada de escolta policial. Inicialmente, havia a informação de que todos ficariam na Superintendência da PF, mas só as duas mulheres foram levadas para lá. Por falta de espaço no local, os homens foram encaminhados diretamente para a ala federal da Papuda.

Mensalão: Prisão no mensalão repercute na imprensa internacional

Condenado no mensalão: Ex-diretor do BB está na Itália e não vai se entregar

Ex-diretor do BB, que fugiu para a Itália, diz ter sido perseguido e injustiçado

Os presos ficarão à disposição da Vara de Execuções Penais Distrito Federal até que a Justiça determine o local definitivo de cumprimento da pena. As defesas do ex-ministro José Dirceu e do deputado licenciado José Genoino entraram com recurso questionando o cumprimento da pena em regime fechado

Parte dos presos, aqueles que cumprirão a pena em regime fechado, o publicitário Marcos Valério, por exemplo, deve ficar na Papuda. Os condenados em regime semiaberto deverão ser levados para o Centro de Progressão Provisória (CPP), fora do complexo, em uma área mais central de Brasília. Dos 12 mandados de prisão expedidos, 11 foram cumpridos. O ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato está foragido. Em carta, o réu informou que está na Itália, onde irá tentar obter um novo julgamento.

Leia tudo sobre: POLÍTICA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas