Suíça condena ex-diretor da CPTM por lavagem de dinheiro

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

João Roberto Zaniboni exerceu funções de confiança nas gestões tucanas de Mário Covas e Geraldo Alckmin

Agência Estado

A Suíça condenou por lavagem de dinheiro o engenheiro brasileiro João Roberto Zaniboni, ex-executivo da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) nos governos do PSDB Mário Covas e Geraldo Alckmin.

Conheça a nova home do Último Segundo

A Justiça em Genebra aplicou multa a Zaniboni e confiscou "seus bens" no país europeu. A condenação de Zaniboni foi comunicada ao Brasil na semana passada pelo Ministério Público Federal Suíço.

Os procuradores suíços não informaram o valor da sanção imposta ao engenheiro. Nesse ponto do documento, agora de posse do Ministério Público em São Paulo, eles demonstram descontentamento com a falta de colaboração do Brasil. "Por falta de endereço (de João Roberto Zaniboni) esta multa nunca lhe pôde ser entregue."

Zaniboni:  Ex-diretor da CPTM teria turbinado contratos do cartel

Saiba mais:
Propina pode superar R$ 1 bilhão
Caso Siemens: alvo foi sócio de detentor de contratos no governo Alckmin
Siemens diz que está disposta a devolver dinheiro aos cofres públicos

Zaniboni exerceu função de confiança nas gestões tucanas - diretor de operações e manutenção da CPTM - entre 1998 e 2003. Nesse período, de acordo com a investigação do Ministério Público da Suíça, foram realizadas transferências para a conta Milmar, alojada no Credit Suisse de Zurique e de titularidade de Zaniboni.

A Suíça está convencida de que se trata de "dinheiro de propina" que ele teria recebido a partir da celebração de contrato da CPTM para melhorias de 129 vagões. A conta Milmar captou US$ 836 mil. Parte desse montante, US$ 255,8 mil, foi repassada pela conta 524373, aberta em nome do engenheiro e consultor Arthur Gomes Teixeira.

Leia tudo sobre: zanibonicartelsuíçacptmpsdbmário covasgeraldo alckmin

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas