Genoino e Dirceu serão transferidos para Brasília neste sábado

Por Vitor Sorano - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Condenados pelo processo do mensalão se entregaram nesta sexta e passaram a noite na sede da PF em São Paulo

O ex-presidente do PT José Genoino e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu deixarão a sede da Polícia Federal em São Paulo neste sábado (16) e serão transferidos para Brasília. A previsão é que um jatinho da PF deixe o Aeroporto de Congonhas com os dois condenados no processo do mensalão por volta das 13h.

Conheça a nova home do Último Segundo

O ex-ministro José Dirceu chegou à sede da PF acompanhado do advogado e foi recebido aos gritos por militantes do PT (15/11). Foto: Futura PressO ex presidente do PT José Genoino foi o primeiro condenado do mensalão a se entregar. Ele se entregou na sede da Polícia Federal (15/11). Foto: Futura PressAo se entregar, José Genoino foi aplaudido por alguns militantes do PT que estavam em frente ao prédio da PF (15/11). Foto: Oslaim Brito/Futura PressDelúbio deixa o edifício central no setor comercial sul, em Brasília, após mais um dia de trabalho na CUT. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaAntes de embarcar para Brasília, eles fizeram exame de corpo de delito (16/11). Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressEntre os detidos estava Marcos Valério, o operado do mensalão (16/11). Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressAvião da Polícia Federal com condenados no julgamento do Mensalão, no Aeroporto da cidade de Brasília (DF), neste sábado (16). Foto: Pedro França/Futura PressAntes de chegar em Brasília, o avião da Polícia Federal passou em São Paulo e em Minas Gerais. Foto: Pedro França/Futura PressO ex-ministro José Dirceu desembarcou acompanhado de agentes. Foto: Pedro França/Futura PressAntes de chegar em Brasília, o avião passou por Minas Gerais. Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura PressOs condenados no mensalão chamaram atenção de populares. Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura PressMilitantes do PT protestam em frente a  Polícia Federal em Brasília. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaMilitantes do PT se reúnem em frente ao prédio da Polícia Federal em Brasília. Os nove condenados do mensalão que se entregaram em SP e MG chegaram a Brasília . Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaEm frente a sede da Polícia Federal em Brasília, militantes do PT esperam por condenados no mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaNo grupo detido em Minas Gerais também está Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural (16/11). Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressAntes de ser levada para Brasília, Kátia teve que dividir cela com Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Valério (16/11). Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressRomeu Queiroz, ex-deputado (PTB), também teve que se apresentar à Polícia Federal. Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressCristiano Paz, ex-sócio de Marcos Valério, passou por exame de corpo de delito. Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressRamon Hollerbach, que também teve de se apresentar à PF, é o outro ex-sócio de Marcos Valério. Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressJosé Roberto Salgado é ex-executivo do Banco Rural. Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressSete condenados no mensalão se entregaram em Minas Gerais. Eles foram hostilizados pela população (16/11). Foto: Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura PressProtesto contra prisão do ex ministro chefe da Casa Civil José Dirceu em frente à sede da Polícia Federal (PF), em Brasília (DF) (16/11). Foto: Futura PressO advogado de José Dirceu José Luís de Oliveira Lima concede entrevista em frente à sede da PF de São Paulo (16/11). Foto: Futura PressManifestantes do PT se reúnem em frente à sede da PF de Brasília para protestar contra prisão dos condenados do mensalão (16/11). Foto: Marcel Frota/iG BrasíliaAdvogado Marthius Sávio Lobato concede entrevista sobre seu cliente, Henrique Pizzolato, condenado no processo do mensalão que fugiu para a Itália (16/11). Foto: Futura PressEx-presidente do PT José Genoino e ex-ministro da Casa Civil José Dirceu deixaram a sede da PF em direção ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo (16/11). Foto: Futura PressMarcos Valério se entrega na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte (MG) (15/11). Foto: Futura PressO ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas se entregou na sede da Polícia Federal em Brasília (15/11). Foto: Futura PressA ex-funcionária de Marcos Valério Simone Vasconcelos se entrega na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte (MG) (15/11). Foto: Futura PressA ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello se entregou na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte. Ela estava acompanhada do advogado (15/11). Foto: Futura PressRomeu Queiroz se entrega na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte (15/11). Foto: Futura PressEx-sócio de Marcos Valério Ramon Hollerbach se entrega na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte (MG) (15/11). Foto: Futura Press

Uma vez em Brasília, os réus passarão por exame de corpo de delito e ficarão sob custódia da Polícia Federal. Em seguida, o juiz de execuções penais deverá expedir o documento para que cada um cumpra sua respectiva pena de prisão, respeitando-se o tipo de regime (fechado, semiaberto, aberto), o Estado de origem do réu e a comarca.

Genoino e Dirceu se entregaram à sede da PF na sexta-feira (15), pouco após a expedição dos mandados de prisão contra 12 condenados no processo pelo relator da ação penal, Joaquim Barbosa. Ambos receberam um telefonema de apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Ex-presidente: Lula telefona a Dirceu e Genoino e diz 'estamos juntos'

Após expedição: Dirceu, Genoino e outros réus do mensalão se entregam à PF

Dirceu em 'carta ao povo': Sou inocente e fui condenado sem provas

Segundo seus advogados, os dois passaram a noite em uma mesma sala da sede da PF. Por volta das 8h, foi servido café da manhã aos condenados, com pão com manteiga, café e frutas.

O coordenador do setorial jurídico do PT, Marco Aurélio de Carvalho, passou pela sede da PF em São Paulo neste sábado. Ele afirmou que vai contestar a transferência de Genoino para a capital federal dizendo que "o Estado tem que ser responsabilizado" por forçar o condenado a fazer uma viagem dado seu atual estado de saúde. Em julho, o ex-presidente do PT passou por uma cirurgia cardíaca para corrigir um problema na artéria aorta.

"Essa irresponsabilidade do Estado brasileiro tem que ser apurada. É a primeira viagem que ele faz depois de uma cirurgia super delicada", disse Carvalho, acrescentando que a transferência é "completamente desnecessária". "Isso é um abuso".

Presidente do PT: Prisões do mensalão 'ferem o princípio da ampla defesa'

Aplaudido por militantes: "Considero-me preso político", diz Genoino

Valério: Operador do mensalão se entrega na sede da PF em Minas Gerais

Carvalho, assim como o advogado de Dirceu, José Luís de Oliveira, apontaram ilegalidade na manutenção dos réus por um período que vá além das 6h. Isso porque os dois deverão cumprir pena em regime semiaberto, que, sob autorização judicial, liberaria o condenado durante o dia para trabalhar ou estudar.

"Cada minuto que meu cliente ficar em regime fechado é uma ilegalidade e eu vou questionar", disse José Luís de Oliveira a jornalistas na sede da PF. O advogado de Dirceu deve questionar ainda hoje na vara de execuções penais de Brasília a transferência do ex-ministro da Casa Civil para a capital federal e sua permanência em regime fechado.

Carvalho também afirmou que contestará a transferência de Genoino. Apesar de não impedir a viagem a Brasília, a defesa pode conseguir que os condenados retornem e cumpram o regime em seus domicílios eleitorais.

Na sexta, Dirceu, condenado a 10 anos e 10 meses de prisão por envolvimento no mensalão, divulgou na sexta uma "carta aberta ao povo brasileiro", em que diz que é inocente e que foi condenado sem provas. Genoino também divulgou nota, reiterou ser inocente e disse considerar-se um "preso político".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas