Em carta, Henrique Pizzolato, que seria o último a se entregar, diz que quer um 'novo julgamento' no país

Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil foi condenado no mensalão
Agência Brasil
Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil foi condenado no mensalão

O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado a 12 anos e sete meses de prisão por envolvimento no mensalão, fugiu para a Itália, aproveitando a dupla cidadania, informou seu advogado. 

Ele é o  único dos 12 condenados com mandado de prisão expedido a não se entregar à Polícia Federal e é considerado foragido. 

Leia mais: Dirceu, Genoino, Valério e outros réus do mensalão se entregam

Conheça a nova home do Último Segundo

Brasília: Delúbio Soares se entrega à sede da Polícia Federal 

Em nota divulgada pela defesa neste sábado (16), o ex-diretor afirmou que "por não vislumbrar a mínima chance de ter um julgamento afastado de motivações político eleitorais", decidiu ser julgado na Itália, onde o Tribunal "não se submete às imposições da mídia empresarial, como está consagrado no tratado de estradição Brasil e Itália".

Dirceu: Sou inocente e fui condenado sem provas

Presidente do PT: Prisões do mensalão 'ferem o princípio da ampla defesa'

Genoino: "Considero-me preso político"

Valério: Operador do mensalão se entrega na sede da PF em Minas Gerais

Diretor da PF acompanhará prisão de condenados no mensalão

O ex-diretor do BB foi condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato por ter facilitado o pagamento fraudulento de contratos de publicidade feitos entre a DNA Propaganda, de Marcos Valério, e o Banco do Brasil.  

Outros 11 condenados do mensalão também já se entregaram em seus respectivos Estados: o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu , o deputado licenciado José Genoino , o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares , o publicitário Marcos Valério , operador do esquema do mensalão; a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello , a ex-funcionária de Marcos Valério Simone Vasconcelos , os ex-sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach , o ex-deputado Romeu Queiroz e o ex-executivo do banco José Roberto Salgado todos em Belo Horizonte; e o ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas , em Brasília.

Uma aeronave da PF levará os nove réus de São Paulo e Minas Gerais para Brasília. Uma vez na capital federal, eles passarão por exame de corpo de delito e ficarão sob custódia da Polícia Federal. Em seguida, o juiz de execuções penais deverá expedir o documento para que cada um cumpra sua respectiva pena de prisão, respeitando-se o tipo de regime (fechado, semiaberto, aberto), o Estado de origem do réu e a comarca.

O presidente da Corte, ministro Joaquim Barbosa, determinou na tarde desta sexta-feira (15) o trânsito em julgado do processo do mensalão para 16 réus, entre eles Dirceu, Genoino e Valério. Mas nem todos esses réus tiveram o mandado expedido. Barbosa usou a prerrogativa de decidir sozinho os casos dos réus e das penas em que não há mais possibilidade de recurso, sem necessariamente submeter essa análise aos demais ministros da Corte.

Veja a lista dos 12 réus que têm mandado de prisão:

- Regime fechado:

1. Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil

2. Marcos Valério, operador do mensalão

3. Cristiano Paz, ex-sócio de Marcos Valério

4. Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural

5. José Roberto Salgado, ex-executivo do Banco Rural

6. Ramon Hollerbach, ex-sócio de Marcos Valério

- Regime fechado, mas que inicialmente será semiaberto

7. José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil

8. Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT

9. Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Valério

- Regime semiaberto:

10. Romeu Queiroz, ex-deputado (PTB)

11. Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL (atual PR)

12. José Genoino, ex-presidente do PT

Com Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.