Ex-presidente do PT começará a cumprir 4 anos e 8 meses de prisão por sua condenação por corrupção ativa

As defesas do ex-presidente do PT e deputado federal licenciado José Genoino (SP) e do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu recorreram neste sábado (16) no Supremo Tribunal Federal para que seja garantido aos dois o regime inicial de cumprimento de pena, o semiaberto. 

Conheça a nova home do Último Segundo

Prisão de condenados no mensalão repercute na imprensa internacional

Na petição, anexada ao processo do mensalão, o advogado de Genoino, Luís Fernando Pacheco, cobra que ele seja imediatamente colocado nesse regime e argumenta que ele não pode ser levado para a penitenciária da Papuda, em que há presídio em regime fechado. A defesa de Dirceu, liderada pelo advogado José Luís Oliveira Lima, fala em "gravíssimo equívoco" sobre o regime de cumprimento da pena.

Leia mais: Dirceu, Genoino, Valério e outros réus do mensalão se entregam

Condenado no mensalão: Ex-diretor do BB está na Itália e não vai se entregar

Ex-diretor do BB, que fugiu para a Itália, diz ter sido perseguido e injustiçado

"Cada minuto no regime fechado, quando ele foi condenado ao semiaberto, representa grave constrangimento ilegal", disse Pacheco, que foi o primeiro defensor a recorrer à Corte contra prisão de um dos condenados no processo.

Advogados de Dirceu e Genoino criticam ‘arbitrariedade’ nas prisões

Juntamente com outros sete presos, Genoino e Dirceu chegaram a Brasília num avião da Polícia Federal. Em seguida, eles foram encaminhados para a Papuda, principal penitenciária da capital do país. Genoino começará a cumprir 4 anos e 8 meses de prisão por sua condenação por corrupção ativa. A condenação por corrupção ativa de Dirceu foi fixada em 7 anos e 11 meses de prisão - logo, tem direito ao semiaberto.

Com Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.