Presidente do PT diz que prisões do mensalão "ferem o princípio da ampla defesa"

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Rui Falcão afirmou ainda que considerou o julgamento injusto e político; PF recebeu 12 mandados de prisão

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou em nota que a prisão dos condenados no mensalão constitui "casuísmo jurídico e fere o princípio da ampla defesa". Nesta sexta-feira (15), a Polícia Federal recebeu 12 mandados de prisão de condenados no caso. 

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: PF recebe 12 mandados para prender condenados no mensalão

Renan Truffi/iG São Paulo
Genoino foi o primeiro réu do mensalão a se entregar

Na nota, divulgada no site do partido, Rui Falcão diz ainda que "cabe aos companheiros acatar a decisão"  e que o PT "reafirma que considerou o julgamento injusto, nitidamente político, e alheio a provas dos autos".

O deputado licenciado e ex-presidente do PT José Genoino chegou à sede da Polícia Federal (PF), em São Paulo, às 18h20 desta sexta-feira e foi o primeiro dos condenados a se entregar. A ex-funcionária de Marcos Valério Simone Vasconcellos também se entregou em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Confira abaixo a íntegra da nota do PT:

A determinação do STF para a execução imediata das penas de companheiros condenados na Ação Penal 470, antes mesmo que seus recursos (embargos infringentes) tenham sido julgados, constitui casuísmo jurídico e fere o princípio da ampla defesa.

Embora caiba aos companheiros acatar a decisão, o PT reafirma a posição anteriormente manifestada em nota da Comissão Executiva Nacional, em novembro de 2012, que considerou o julgamento injusto, nitidamente político, e alheio a provas dos autos. Com a mesma postura equilibrada e serena do momento do início do julgamento, o PT reitera sua convicção de que nenhum de nossos filiados comprou votos no Congresso Nacional, nem tampouco houve pagamento de mesada a parlamentares. Reafirmamos, também, que não houve da parte dos petistas condenados, utilização de recursos públicos, nem apropriação privada e pessoal para enriquecimento.

Expressamos novamente nossa solidariedade aos companheiros injustiçados e conclamamos nossa militância a mobilizar-se contra as tentativas de criminalização do PT. 

Leia tudo sobre: mensalãorui falcãoPTprisão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas