Aplaudido por militantes do PT, Genoino se entrega na sede da PF

Por Renan Truffi - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Deputado licenciado foi o 1º condenado no mensalão a se entregar. Ao todo, foram 12 mandados de prisão

O deputado licenciado e ex-presidente do PT José Genoino chegou à sede da Polícia Federal (PF), em São Paulo, às 18h20 desta sexta-feira (15). Ele foi o primeiro dos 12 réus do mensalão a se entregar após a expedição dos mandados de prisão pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Aplaudido por alguns militantes do PT que estavam em frente ao prédio da PF, Genoino estava acompanhado de seu advogado, Luiz Fernando Pacheco, e de sua mulher.

No início da tarde desta sexta-feira, Genoino divulgou uma nota oficial na qual reiterava ser inocente e disse considerar-se um "preso político".

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: PF recebe 12 mandados para prender condenados no mensalão

Futura Press
O ex-presidente do PT José Genoino se entrega na sede da Polícia Federal

Os réus devem primeiramente ser abrigados em unidades da Polícia Federal (PF) e depois encaminhados para o Distrito Federal: no Centro de Prisão Provisória (CPP), em Brasília, ou na Penitenciária da Papuda. Somente após uma autorização de Barbosa é que eles serão alojados em unidades prisionais de seus respectivos Estados.

Ao chegar à sede da PF, o advogado do PT Marco Aurélio Carvalho disse que Genoino está indignado com a prisão “como todo preso político tem de estar” e informou que, apesar de estar com a saúde debilitada, o petista está bem. Em julho, Genoino se submeteu a uma cirurgia cardíaca após sentir fortes dores no peito.

O deputado foi condenado a 6 anos e 11 meses de prisão pela participação no esquema do mensalão e deverá cumprir parte da pena em regime semiaberto. 

Defesa: Advogados dizem que condenados do mensalão vão se entregar

Barbosa encerra processo do mensalão para 16 réus e emite mandados de prisão

Genoino disse ainda ter sido condenado por que era presidente do PT na época do escândalo e afirma que não existem provas das acusações contra ele. "O empréstimo que avalizei foi registrado e quitado", diz a nota.

O ex-presidente do PT foi condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha. A segunda condenação, contudo, está embargada e seu julgamento deve ser retomado em 2014, pois ele obteve quatro votos favoráveis a sua absolvição por este crime no Supremo.

Confira abaixo a íntegra da nota:

"Com indignação, cumpro as decisões do STF e reitero que sou inocente, não tendo praticado nenhum crime. Fui condenado por que estava exercendo a Presidência do PT. Do que me acusam? Não existem provas. O empréstimo que avalizei foi registrado e quitado.

Fui condenado previamente em uma operação midiática inédita na história do Brasil. E me julgaram em um processo marcado por injustiças e desrespeito às regras do Estado Democrático de Direito.

Por tudo isso, considero-me preso político."

Com Agência Estado

Leia tudo sobre: mensalãojulgamento do mensalão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas