Recluso em casa, Genoino aguarda em clima tenso a ordem de prisão em SP

Por Natália Peixoto - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Hostilidade à imprensa em frente à residência do ex-presidente do PT marca espera por expedição de mandado

O deputado licenciado José Genoino (PT-SP) aguarda recluso em sua casa em São Paulo a expedição do mandado de prisão que deve acontecer ainda hoje (14) pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Genoino foi condenado a 4 anos e 8 meses pelo crime de corrupção ativa no julgamento do mensalão.

Conheça a nova home do Último Segundo

Primeiras prisões do mensalão devem acontecer nesta quinta-feira

A casa do ex-presidente do PT fica em uma rua residencial no bairro do Butantã, na zona oeste de São Paulo. Pela manhã, o clima era de expectativa e tensão na construção laranja, vigiada por jornalistas e curiosos que interrompiam a calma da pequena via. Genoino não apareceu. Apenas sua mulher, Rioco, além de amigos e os filhos foram vistos em frente ao portão.

Decisão do STF: Veja como ficou a situação dos 25 condenados do mensalão

Por volta das 7h, sua filha Miruna levou o casal de netos para se despedir do avô, antes de irem para escola. Ela se irritou com as câmeras ligadas e pediu que não fossem feitas imagens das crianças.

Durante a madrugada, o filho de Genoino saiu para comprar remédios e xingou a imprensa presente: “torturadores”.

Natália Peixoto / iG São Paulo
José Genoino espera ordem de prisão recluso em sua casa (no centro)


A casa simples, com dois carros populares na garagem, é vizinha a uma pequena fábrica. Os vizinhos dizem ver sempre o deputado, que caminha todos os dias de manhã por recomendação médica. Em julho, Genoino passou por uma cirurgia de emergência no coração. 

Na Bahia, José Dirceu é avisado de decisão do STF sobre prisão

Repercussão: STF jogou para a plateia, diz advogado do PT

O advogado do petista, Luiz Fernando Pacheco, não atendeu as ligações da reportagem até a manhã desta quinta (14).

Prisão

De São Paulo, Genoino deve seguir para uma unidade da Polícia Federal (PF) e depois encaminhado para o Distrito Federal, no Centro de Prisão Provisória (CPP), em Brasília, ou na Penitenciária da Papuda.

Ele foi condenado a 6 anos e 11 meses e multa de R$ 468 mil por corrupção ativa e formação de quadrilha, mas teve embargos infringentes aceitos em relação ao o crime de quadrilha, o que diminuiu sua a pena para 4 anos e 8 meses. Ele deve cumprir pena em regime semi aberto.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas