Dilma diz que exumação de Jango é "afirmação da democracia"

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Suspeita de morte do ex-presidente por envenenamento será avaliada por peritos; corpo foi recebido em Brasília

Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff, que participou na manhã desta quinta-feira (14) da cerimônia de recepção dos restos mortais do ex-presidente João Goulart, em Brasília, disse no Twitter que a homenagem é um encontro do Brasil com a sua história.

Conheça a nova home de Último Segundo

Itamar Aguiar/Futura Press
Saída do esquife com os restos mortais do corpo do ex-presidente João Goulart no cemitério Jardim da Paz em São Borja (RS)


A presidente lembrou que Jango foi o único presidente brasileiro a morrer no exílio e "em circunstâncias ainda a serem esclarecidas por exames periciais". "Essa cerimônia que o Estado brasileiro promove hoje com a memória de João Goulart é uma afirmação da nossa democracia", escreveu.

Após mais de 18 horas de trabalho, exumação do corpo de Jango é encerrada

Viúva de Jango: 'É o encerramento dessa história, que passa a ser mais triste '

Exames que apontarão se Jango foi envenenado serão realizados fora do Brasil

João Goulart morreu na Argentina, em 1976, vítima, segundo atestado de óbito, de um ataque cardíaco. No entanto, há a suspeita de que o ex-presidente tenha sido envenenado. Os restos mortais de Jango foram exumados ontem em São Borja (RS), sua cidade natal, para exames periciais.

O então presidente Jango foi deposto por um golpe militar em março de 1964, depois de dois anos e meio no cargo. Há no Congresso Nacional um projeto para anular o ato que destituiu Goulart da Presidência. Desde que deixou o poder, João Goulart nunca mais voltou à Brasília.


Leia tudo sobre: POLÍTICAjangoexumaçãojoão goulartdilma

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas