Prefeitura de São Paulo abre sindicância para apurar conduta de Donato

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mauro Ricardo, ex-secretário de Finanças na gestão Gilberto Kassab, também terá de depor

A prefeitura de São Paulo instaurou uma sindicância para investigar se o ex-secretário do governo, Antônio Donato, participou de irregularidades ao manter contato com os acusados de participar de um esquema de fraudes na arrecadação de impostos da cidade. 

Facebook/Reprodução
Grampo do Ministério Público mostra que o acusado marcou um encontro com Donato e também com o vereador Paulo Fiorilo

A convocação do ex-secretário de Finanças, Mauro Ricardo, também foi anunciada. Ele terá de esclarecer se conhecia o grupo de suspeitos. Segundo nota oficial, o ex-secretário de Finanças do ex-prefeitor Gilberto Kassab (DEM), Mauro Ricardo, também terá de explicar se, de fato, matinha em seu gabinete toda a estrutura para operar as irregulares.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Fiscal suspeito de fraude trabalhou com secretário de Haddad

Citado em grampo, secretário de Haddad pede afastamento do cargo

Donato deixou ontem (12) o cargo depois de citado na investigação do esquema. Segundo reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, o fiscal suspeito de fraude Eduardo Horle Barcellos disse em depoimento ao Ministério Público que pagava R$ 20 mil por mês ao ex-secretário, que na época era vereador na capital paulista. 

O petista, que atribuiu as denúncias a uma manobra dos envolvidos no esquema, vai reassumir o mandato de vereador, do qual estava licenciado para comandar a pasta.

Leia também:

Quadrilha do ISS é suspeita de cobrar para zerar dívidas de IPTU

Construtoras pagavam mesada para quadrilha do ISS em SP

MP investiga fraude com ISS em 652 prédios de luxo de São Paulo

As investigações começaram depois que a Controladoria-Geral do município chegou à conclusão de que quatro servidores tinham patrimônio muito acima do que sua remuneração poderia proporcionar. A partir de então, investigou-se as obras sob responsabilidade desses auditores. A conclusão foi de que a arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS) era munito menor ao percentual arrecadado em média por outros fiscais.

O Ministério Público estima que o esquema possa ter causado um rombo de até R$ 500 milhões aos cofres públicos entre 2007 e 2012.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas