Articulador do Movimento PT vai pedir o fim das eleições diretas no partido

Por Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Romênio Pereira defende que direção seja eleita apenas pelo voto de delegados escolhidos pela base

O secretário nacional de Relações Institucionais do PT, Romênio Pereira, vai propor na próxima reunião do diretório nacional do partido, no dia 18, o fim do Processo de Eleições Diretas (PED) para escolha dos dirigentes partidários.

Leia mais: Números preliminares indicam alta abstenção nas eleições do PT

Romênio é o articulador da corrente Movimento PT, uma das maiores do partido, que apoiou a eleição do presidente nacional do PT, Rui Falcão.

Até então apenas correntes minoritárias, os chamados radicais petistas, defendiam o fim do PED sob o argumento de que as eleições diretas privilegiam os grupos que controlam as maiores máquinas partidárias e provocavam desequilíbrio entre as forças internas do PT.

Leia também:
Lula diz que população entendeu mal aumento do IPTU anunciado por Haddad
Dilma vota em Brasília nas eleições internas do PT
'O Brasil sabe que sou inocente', diz José Dirceu após eleição interna do PT

Com a posição do Movimento PT, a corrente majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB) perde um aliado importante na defesa das eleições diretas. É a primeira vez que uma corrente importante sugere o fim do processo. A manutenção ou não do PED será decidida no 5o Congresso Nacional do PT, instância máxima do partido, marcado para os dias 12, 13 e 14 de dezembro em Brasília.

Romênio defende que o partido volte a adotar o método anterior para escolha dos dirigentes. O primeiro PED foi realizado em 2001. Antes, a direção era eleita em encontros nos quais apenas delegados escolhidos pela base tinham direito a voto. O PT é o único partido do Brasil que faz eleições diretas para escolher seus dirigentes.

"O PED é democrático mas é preciso rever o método de escolha. Houve pouco debate político. Numa eleição por delegados o debate fica mais qualificado", disse Romênio.

O secretário nacional de Mobilização, Jorge Coelho, um dos principais nomes da CNB, discorda. "Nunca houve tanto debate em um PED. Só os candidatos a presidente nacional fizeram oito debates, três deles transmitidos pela internet. A base do PT gosta do PED. Quem reclama são alguns dirigentes", disse ele.

Valter Pomar, candidato a presidente nacional pela corrente Articulação de Esquerda, fez um cálculo segundo o qual 30 mil pessoas participaram de alguma forma dos debates no PED de 2013. O número é pequeno se comparado ao total de filiados aptos a votar, 806 mil.

Em conversas reservadas, dirigentes do PT admitem que o PED tem sido um foco de desgaste para o partido devido a denúncias de pagamentos de contribuições partidárias em massa, transporte irregular de filiados e caixa dois.

No domingo à noite, cardeais petistas também admitiam a possibilidade de o número de votantes ficar abaixo dos 518 mil que participaram do PED de 2009. Se a previsão de confirmar, será um argumento a mais para os petistas que defendem o fim das eleições diretas.

Leia tudo sobre: pteleições do PT

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas