Kassab diz que auditor fiscal preso quis 'tumultuar o processo'

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Ronilson Rodrigues diz em grampo que Kassab e o secretário de Finanças tinham ciência de tudo. MP não descarta ouvir ex-prefeito de São Paulo

Agência Estado

O ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) disse nesta sexta-feira (8) em entrevista à Rádio Estadão, que o auditor fiscal Ronilson Rodrigues quis "tumultuar o processo" ao envolvê-lo no esquema que desviou até R$ 500 milhões de Imposto Sobre Serviços (ISS) da Prefeitura de São Paulo durante sua gestão, em um telefonema gravado com autorização judicial.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Haddad afirma que quadrilha do ISS pode ter fraudado IPTU

"Essa informação vem de pessoas que sabiam que estavam sendo monitoradas e fizeram isso para tumultuar o processo", disse Kassab. "Sabiam e fizeram isso para tumultuar. Qualquer criança faria essa suposição", repetiu.

O áudio divulgado nessa quinta-feira pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, foi de um telefonema de Ronilson Rodrigues para a auditora fiscal Paula Sayuri Nagamati, gravado no dia 18 de setembro. O ex-subsecretário da Receita Municipal mostra irritação ao ver seu nome publicado no Diário Oficial da Cidade numa intimação para depor na Controladoria-Geral do Município.

Rodrigues diz a Paula que Kassab e o secretário municipal de Finanças, Mauro Ricardo, tinham ciência de tudo e que também deveriam ser ouvidos.

Mosaico Político: Kassab reclamou de Haddad para Dilma

Leia mais: Auditora fiscal que acusou secretário será exonerada

Kassab disse ter recebido a informação com muita "indignação" e defendeu seu ex-secretário. "Quero publicamente dar meu depoimento de admiração ao secretário Mauro Ricardo, que é uma pessoa correta, honesta, íntegra, eficiente. Ele também é vítima da ação dessa quadrilha", afirmou.

O ex-prefeito citou que a investigação sobre o esquema iniciou-se no fim de sua gestão. "Essa denúncia surgiu na nossa gestão e nosso corregedor, doutor Edilson (Bomfim), iniciou o processo de investigação. A gestão acabou naturalmente e a controladoria deu continuidade às investigações", completou.

Caso Aref

"Todos sabem que ao longo da nossa gestão tudo o que foi denunciado foi apurado", disse Kassab, que fez questão de lembrar do envolvendo Hussein Aref, o ex-diretor de Aprovações da Secretaria Municipal de Habitação, que comprou mais de cem imóveis enquanto ocupou o cargo na Prefeitura e é alvo de ação por improbidade administrativa. "Quem não se lembra da quadrilha do Aref que foi desbaratada na nossa gestão?", perguntou Kassab.

MP não descarta ouvir Kassab

O promotor Roberto Bodini, que investiga a fraude na Prefeitura de São Paulo, disse que não descarta a possibilidade de convocar o ex-prefeito Kassab e o então secretário de Finanças. "Nesse momento, não há nenhum indício contra o ex-prefeito e o ex-secretário, mas no decorrer das investigações, se necessário for, poderei ouvi-los", disse Bodini.

Outra possibilidade é o Ministério Público (MP) interrogar Rodrigues. No grampo divulgado nessa quinta-feira, 7, no Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, ele dizia que a investigação deveria chamar o ex-prefeito de São Paulo e o ex-secretário municipal de Finanças, pois eles tinham "ciência de tudo". "Preciso perguntar para Ronilson o que ele quis dizer com 'ciência' e com 'tudo'", disse o promotor.

Prisão

Bodini disse que, por ora, não deve oferecer denúncia contra os três fiscais que ainda estão presos. Assim, ele não pedirá a prisão preventiva dos fiscais, que devem ser liberados à zero hora deste sábado (9). O MP, no entanto, pedirá à Justiça a retenção dos passaportes dos investigados.

Leia tudo sobre: kassabauditores fiscaisigspprefeitura de são paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas