Jango: só 33% viam 'risco para o continente'

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisas sobre a avaliação de seu governo foram feitas às vésperas do golpe, mas não divulgadas à época

Brasil Econômico

As pesquisas do Ibope sobre a avaliação do governo de João Goulart, em 1964, mostram que, caso pudesse ser candidato em eleição no ano seguinte, o então presidente venceria as eleições com mais de 50% dos votos em cinco capitais. Em São Paulo, ele tinha 72% de aprovação, ao contrário do que se imaginava à época. Outros dados de pesquisas, ainda não revelados, vão na linha contrária da versão divulgada de que a população brasileira temia o avanço do “perigo comunista”. Apenas 33% da população consideravam o governo Jango “um risco para o continente”. Entre os ricos e a classe média, 42% tinham essa avaliação . Nas classes C e D, os índices variavam entre 29% e 27%. Trinta e sete por cento da população dizia não ver qualquer risco no governo Jango.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia outras colunas do Mosaico Político

Antes do golpe de 64, pesquisas davam apoio ao governo Jango

Jango acabou deposto pelos militares. As pesquisas sobre a avaliação de seu governo foram feitas às vésperas do golpe, mas não divulgadas à época. Esses documentos permaneceram ocultos até 2003, quando o Ibope doou o seu acervo para o arquivo Edgard Leuenroth, da Unicamp. As pesquisas foram analisadas pelo professor Luiz Antonio Dias, chefe do Departamento de História da PUC de São Paulo. Para disputar a eleição em 1965 - caso não tivesse sido tirado do poder -, Jango teria de aprovar uma mudança na Constituição. Sem o seu nome nas pesquisas de intenção de voto, Juscelino Kubitschek vencia as eleições nas oito capitais pesquisadas. Mas Jango só alcançava percentuais menores que os de JK em Fortaleza e Belo Horizonte. Caso ele concorresse, certamente largaria na dianteira da corrida eleitoral, avalia o historiador Dias.

Bela praia do Nordeste encanta governistas

A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, é uma das responsáveis por divulgar para a presidente Dilma os encantos das belas praias de São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte. Ideli passou o carnaval lá. Agora, Dilma quer visitar a cidade, entre o Natal e o Ano Novo. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, também quer conhecer.

Carvalho fez cirurgia

O secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, fez uma cirurgia no menisco na quinta-feira. A operação é bastante comum entre esportistas, cujos joelhos são bastante exigidos. Ainda em recuperação, retornou ontem ao trabalho.

PV pede liberdade de ativista

Parlamentares do PV vão apresentar moções contrárias à prisão na Rússia da bióloga brasileira Ana Paula Maciel, acusada de pirataria. Serão encaminhadas na Câmara dos Deputados, Assembleias e todas as casas legislativas onde o PV tiver assento.

Empresa paulista fecha contrato no Jari

Uma empresa de Mogi das Cruzes (SP), a Saltus,fechou contrato no valor de R$ 110 milhões com o Grupo Jari, da Amazônia, para a colheita de madeira em floresta do Pará. Irá operar numa área de 1,3 milhão de hectares ente o Pará e o Amapá.

Sâo Paulo adere a programa carioca

O Ministério Público de São Paulo anuncia amanhã a sua adesão ao Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos. O PLID, como é chamado, é um cadastro idealizado pelo MP do Rio de Janeiro para combater o tráfico de pessoas e auxiliar a localização de desaparecidos. A ideia é criar um banco de dados nacional. No Estado de São Paulo, desaparecem diariamente entre 50 e 60 pessoas, segundo a Delegacia de Desaparecidos.

Maurício Ribeiro Lopes, promotor, ao entrar com ação civil pública com pedido de liminar contra o aumento do IPTU em São Paulo: “Pelo regimento interno da Câmara dos Vereadores não poderia haver votação desse projeto de lei em sessão extraordinária sem que o objeto estivesse devidamente delimitado".

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas