Justiça de São Paulo condena Maluf por obra superfaturada

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-prefeito da capital paulista foi condenado por improbidade na execução das obras do túnel Ayrton Senna durante sua gestão e pode ficar inelegível

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) confirmou nesta segunda-feira (4) a condenação contra o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), ex-prefeito da capital paulista, por improbidade administrativa na execução das obras do túnel Ayrton Senna, que teriam sido superfaturadas durante sua gestão (1993-1996). 

Conheça nova home do Último Segundo

Leis e negócios: “Condenação não impede candidatura”, diz defesa de Maluf

As frases polêmicas de Maluf

Procurados pela Interpol: Maluf, Abdelmassih e outros 158 anônimos 

A decisão do órgão colegiado prevê a suspensão dos direitos políticos de Maluf por cinco anos, o que o impediria de disputar a próxima eleição. Já de acordo com a Lei da Ficha Limpa, quem for condenado fica inelegível por oito anos. Ainda cabe recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF).

A Justiça de São Paulo negou o recurso do ex-prefeito e manteve a decisão que, além de suspender os direitos políticos, o proíbe de contratar com o poder público e prevê ressarcimento aos cofres públicos. "O então prefeito Paulo Salim Maluf é parte legítima para figurar como réu, uma vez que agia em nome do município, responsabilizando-se pela obra pública que aprovou e recebeu", afirma o acórdão.

Veja abaixo algumas das frases mais polêmicas de Maluf

. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG. Foto: Arte iG

"O que se evidencia é que as especificações sustentadas pelos réus não correspondem aos serviços executados e foram criadas com o único intuito de lesar o erário público, mediante o pagamento por serviços não realizados", continua a decisão do TJ, que prevê ressarcimento aos confres públicos e pagamento de multa de mais de R$ 42 milhões, em valores referentes a abril de 2013.

Os advogados de Maluf divulgaram nota na qual afirmam que ele não será punido pela lei da Ficha Limpa. “A decisão tomada hoje pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo não impede que Paulo Maluf participe das próximas eleições”, diz a nota. A defesa de Maluf ressalta que o Tribunal de Justiça não condenou o deputado pela prática de ato doloso, nem por enriquecimento ilícito. No final, a nota dos advogados informa que, "oportunamente", o deputado irá ao STJ e ao STF para recorrer da decisão condenatória.

Com Agência Brasil

Leia tudo sobre: paulo maluftribunal de justiçasão pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas