Ministério Público pede prisão preventiva de fiscais suspeitos de fraude em SP

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Eles são investigados por esquema de cobrança de propina para a liberação de prédios em São Paulo

Agência Estado

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu nesta sexta-feira, 1, a prisão preventiva de três dos fiscais presos por participar de um esquema de cobrança de propina para a liberação de prédios em São Paulo. O pedido veio após negativa da Justiça em relaxar a prisão do fiscal Luís Alexandre Cardoso Magalhães, o quarto detido.

Conheça a nova home do Último Segundo

Magalhães concordou em participar de uma delação premiada para colaborar com as investigações. O MP tem indícios de que ao menos cinco empresas participavam do esquema. De acordo com as investigações, pelo menos outros dois funcionários públicos agiam de modo semelhante à quadrilha presa.

Leia mais sobre o caso:

Construtora confirma propina de R$ 4 milhões a presos para liberar obras em SP

Houve denúncias no MEC na gestão Haddad, diz Kassab

O promotor Roberto Bodini afirmou que a prisão preventiva de Ronilson Bezerra Rodrigues, Eduardo Horle Barcellos e Carlos di Lallo Leite do Amaral é necessária, uma vez que a liberação de Magalhães foi negada pela Justiça. Após a delação premiada, formalizada administrativamente hoje, o MPE pediu à Justiça a liberação do fiscal, mas o pedido foi negado. O MP diz acreditar que é preciso manter os demais funcionários presos por mais tempo para não prejudicar a apuração do esquema, que pode ter lesado os cofres públicos em até R$ 500 milhões.

Leia tudo sobre: igspHaddadissPrefeitura de São Paulofraudeesquema

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas