Igreja Mundial acerta com a Rede TV

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

A compra do horário foi acertada por R$ 4 milhões ao mês. Igreja de Valdemiro foi atrás de outra emissora a fim de responder à perda de espaço na TV para a Universal

Brasil Econômico

A Igreja Mundial do Poder de Deus, do apóstolo Valdemiro Santiago, fechou acordo com a Rede TV para a transmissão de seus cultos na emissora aos domingos pela manhã, das 10 às 12h30, em rede nacional. A compra do horário foi acertada por R$ 4 milhões ao mês. A Rede TV dividirá com a Mundial um satélite para as transmissões. Durante culto no último domingo (veiculado ainda pelo Canal 21), o vice-presidente da Mundial, Denis Munhoz, anunciou a nova programação, já neste final de semana, na Rede TV. Procurada, a emissora não confirmou nem desmentiu a negociação. A Mundial não se manifestou. A igreja de Valdemiro foi atrás rapidamente de outra emissora, a fim de responder à perda de espaço em redes de TV para a concorrente Universal do Reino de Deus, a igreja do bispo Edir Macedo, da qual Valdemiro também fez parte, até 1998.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia outras colunas do Mosaico Político

A igreja de Macedo tirou recentemente das mãos do ex-seguidor os espaços que ele mantinha na rede CNT e no Canal 21, do grupo Bandeirantes. No 21, a Mundial ocupava 23 horas diárias da programação. Pagava R$ 8,5 milhões ao mês. Em dificuldades financeiras, a Mundial passou a atrasar pagamentos à CNT e ao canal 21. A Universal, então, entrou no páreo. Fez ofertas vantajosas às duas emissoras e desbancou o concorrente. Conforme revelou a coluna, na edição de 16 de outubro, ao menos 50 bispos e pastores da Igreja Mundial foram afastados por causa de denúncias de desvios de recursos. Ofertas feitas pelos fiéis não chegavam aos cofres do grupo religioso, conforme denúncias. Um integrante da Mundial, já afastado, teria tentado trazer de Angola para o Brasil US$ 1,1 milhão para comprar um imóvel em condomínio de luxo.

Aécio mexe no celular durante discurso

Não foi fácil para o senador mineiro Aécio Neves ouvir na noite de anteontem - em evento de premiação de empresas organizado pela revista Carta Capital, em São Paulo - o longo discurso da presidente Dilma Rousseff com a exaltação ao leilão de Campo Libra e um festival de números sobre outras realizações de seu governo. Na primeira fila, Aécio mexeu no celular e, pacientemente, colocou a mão no queixo, em alguns momentos. Ao descer, a presidente o cumprimentou. “Ela estava aqui como presidente e eu a respeito na função. Nos cumprimentamos educadamente e civilizadamente, mas temos profundas divergências”, disse Aécio.

Marina e Eduardo Campos eram esperados, mas não apareceram

A ex-ministra Marina Silva e o governador Eduardo Campos também eram esperados no evento da Carta Capital. Minutos antes de iniciar os discursos, uma integrante do cerimonial da presidência procurou o empresário Guilherme Leal, da Natura, para perguntar se Marina chegaria. Leal disse que os dois vinham juntos, mas o governador teve “um problema pessoal”. Aí, Marina também não apareceu.

Abílio reclamou do IPTU

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o empresário Abílio Diniz conversaram em uma pequena roda, durante coquetel no evento da Carta Capital. Diniz falou do aumento do IPTU. Haddad justificou-se, dizendo que “colocava em ordem as finanças em São Paulo”. Diniz afirmou que o valor era alto, “mas para você eu pago”.

Haddad e Afif conversam sobre parceria

Haddad também conversou com o ministro Guilherme Afif Domingos, da Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Afif contou que falaram sobre uma parceria para facilitar a abertura de novas empresas. A Secretaria, diz, assumiu o compromisso de reduzir o prazo de abertura e fechamento de empresas para cinco dias. Hoje, o prazo para abrir é de 160 dias. Fechar, é quase impossível.

Dilma Rousseff, presidente, ao dizer que o modelo de concessão no Campo de Libra não seria vantajoso: “Quando não se sabe onde está o petróleo, o modelo adotado é o de concessão. Como o risco de não encontrar é alto, as empresas pagam royaties e ficam com todo o petróleo”.

Leia tudo sobre: mosaico políticoigreja mundial

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas