Temos de cobrar que as coisas saiam do papel, diz Dilma ao citar manifestações

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Ao anunciar investimentos em mobilidade urbana, presidente ressaltou os cinco pactos feitos em junho

Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff afirmou na tarde desta terça-feira, 29, que investimentos em mobilidade urbana já haviam sido decididos antes das manifestações populares de junho de 2013. Ela ressaltou os cinco pactos feitos em junho com "movimentos sociais e outros poderes, sobretudo com governadores e prefeitos" e mencionou que algumas questões "foram muito enfatizadas".

Conheça a nova home do Último Segundo

Lula sobre manifestações: 'O povo queria mais'

Leia mais: Dilma volta a defender reforma política com consulta popular

"A grande questão era a da mobilidade urbana", disse a presidente, durante cerimônia de anúncio de investimentos do PAC Mobilidade Urbana, em Curitiba (PR). Ela mencionou que a participação de governadores e prefeitos foi importante para os cinco pactos assumidos. "Nós, que vivemos o dia a dia da administração, sabemos que aquilo que nós temos de cobrar é justamente isso, que as coisas aconteçam, saiam do papel tenham efetividade. O Brasil durante muito tempo não tirou nada do papel", comentou a presidente.

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma participa de cerimônia para anunciar investimentos do PAC Mobilidade Urbana, em Curitiba


Ela afirmou que desde 2007 o Brasil "vem num esforço de retomar investimentos". "Isso significa recuperar a capacidade de planejar, de ter projeto, repensar algumas coisas. Sobretudo, nós temos de ter os recursos adequados ao projeto que a gente quer fazer", disse. Dilma voltou a falar que no passado o Fundo Monetário Internacional (FMI) "mandava em nós" e que, entre 2005 e 2006, o Brasil pagou a dívida com o fundo.

Em referência ao período como ministra-chefe da Casa Civil, Dilma contou que certa vez recebeu um funcionário do Ministério da Fazenda que falou sobre a liberação de recursos para investimento no País. "Esse funcionário da Fazenda veio me dizer: 'uma boa notícia, consegui que o Fundo Monetário liberasse 500 milhões para investir no Brasil em saneamento'", contou. "Hoje, nós investimos mais de R$ 500 milhões em apenas uma cidade do Brasil, e não no País como um todo. Nós mudamos", completou.

Leia tudo sobre: dilma rousseffcuritibamobilidade urbana

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas