Para a cúpula do PT, Aécio pode desistir

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo integrante da cúpula do governo e do PT, Aécio fortalece Serra 'na medida que vai passando o tempo'

Brasil Econômico

Um integrante da cúpula do governo e do PT afirma, em conversas reservadas, que não se surpreenderá se o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) desistir da candidatura à presidência da República e abrir mão da vaga para José Serra. “Ele pode avaliar o risco de perder a eleição e também Minas Gerais”, arrisca. Nessa hispótese, disputaria o governo mineiro. Para o governista, a união de Marina (da Rede) com Eduardo Campos (PSB) conseguiu dar para a oposição uma viabilidade não existente até então, tornando o quadro mais difícil para Aécio. “A gente sabia que não era fácil o Aécio se consolidar e o Eduardo também. A Marina era uma incógnita, mas ela tem um eleitorado bem definido e vinha com peso. Agora, há uma junção e os dois ficaram mais fortes”, avalia. “Vamos ter que trabalhar muito mais”.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia outras colunas do Mosaico Político

O PT terá de tomar “muito mais cuidado”, acentua. Para ele, Aécio fortalece Serra “na medida que vai passando o tempo”. O interlocutor ressalta que essa visão não é consenso dentro do governo. Outros líderes petistas, como o ex-presidente Lula, acreditam que a aliança Eduardo Campos/Marina enfrentará problemas, por causa de pontos divergentes entre os dois partidos e das dificuldades e conflitos nas disputas regionais. Já sobre as chances de Dilma, confia que, até junho do próximo ano, a presidente terá uma “recuperação progressiva”. Para o petista, não haverá distúrbios na economia – como a oposição prevê -, o nível de emprego será mantido e muitas realizações serão anunciadas, como o Minha Casa, Minha Vida e a expansão das UPAS (unidades pronto atendimento). “A oposição achava que só íamos trazer mais médicos, mas vamos melhorar as unidades de atendimento na saúde”, afirma.

Para PSDB, não há qualquer chance

O PSDB diz não ter sentido as afirmações de que Aécio possa vir a desistir da disputa. O senador tem o apoio dos 27 diretórios tucanos, lembra o partido. A movimentação de Serra pelo País é vista com tranquilidade porque teria sido “acertada, em conversa com o ex-governador mineiro.

O périplo de Aécio

As viagens do pré-candidato Aécio Neves prosseguem: o senador mineiro estará no final de semana em Bauru (SP). Depois, vai para Porto Alegre (RS), no dia 11 de novembro e, no dia 22, a Goiânia. No meio dessas duas datas, passará por Manaus.

Encontro do PT discutirá alianças

O PT vai discutir alianças para as próximas eleições no dia 18 de novembro, em São Paulo, no último encontro do ano de seu diretório nacional. A pauta ainda não está fechada, mas este será um dos temas principais.

Violência ameaça a liberdade

Atos violentos de manifestantes como os Black Blocs, que agrediram o coronel da PM Reynaldo Rossi, na última sexta-feira, em São Paulo, colocam em risco “as próprias liberdades democráticas” e levam muita gente a avaliar se vale a pena participar de manifestações, alerta o cientista político Marco Antonio Carvalho Teixeira, da Fundação Getúlio Vargas.

“Jovens ocupam lacuna que os partidos deveriam ocupar”

“É surpreendente. Nunca tivemos um movimento que desafiasse tanto a ordem e a democracia, como esse. Esse grupo ocupa uma lacuna que os partidos deveriam ocupar, incluindo os jovens no debate político regular democrático. Na medida em que os partidos não conseguem, esses jovens vão desaguar seus anseios e descrenças no sistema político recorrendo à violência”, diz Teixeira.

Reynaldo Rossi, coronel da PM espancado por manifestantes mascarados, em São Paulo: “Temos de contar com a sociedade repudiando a ação deles (Black Blocs). Eles não podem se sentir à vontade para se apropriar de manifestações legítimas”


Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas