Na TV, PT explora Bolsa Família e Mais Médicos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Dilma afirmou que o Brasil é um país que tem criado empregos, que tem reduzido a desigualdade e repetiu o mote 'vamos continuar sendo'

Reuters

A cerca de um ano de tentar se reeleger, a presidente Dilma Rousseff adotou o mote "vamos continuar sendo" no programa do PT transmitido em rede nacional de TV nesta quinta-feira, que focou o programa Mais Médicos e os dez anos do Bolsa Família, principais bandeiras da década em que o partido está à frente do governo federal.

Conheça a nova home do Último Segundo

Ibope:

Dilma tem 41% das intenções de voto e venceria no 1º turno

Governo Dilma é aprovado por 38% da população, diz Ibope

O programa teve a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendeu o Bolsa Família, e do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, provável candidato ao governo de São Paulo no ano que vem, que falou sobre o Mais Médicos.

Reprodução
A presidente Dilma Rousseff adotou o mote "vamos continuar sendo" no programa do PT

Padilha teve participação mais destacada no programa petista do que os governadores Jaques Wagner (Bahia), Agnelo Queiroz (Distrito Federal), Tarso Genro (Rio Grande do Sul), Tião Viana (Acre) e o presidente do PT, Rui Falcão. "O Brasil fez, faz e fará. O nosso futuro será maior que a soma de todos os nossos sonhos", disse Dilma no programa.

A presidente afirmou que o Brasil é um país que tem criado empregos, que tem reduzido a desigualdade sempre com o mote "vamos continuar sendo" acompanhado de outras vozes além da de Dilma. "Somos um país que cresce com distribuição de renda e inflação controlada. E vamos continuar sendo", disse Dilma.

O programa na TV, que atribuiu a viabilidade do Bolsa Família e do Mais Médicos à "alma guerreira e coração apaixonado do PT", também teve uma defesa enfática de Lula do programa de transferência de renda.

"No Brasil, quando o dinheiro vai para o mais rico, dizem que é investimento. Quando vai para o mais pobre, dizem que é gasto, que é esmola. Tem políticos que até hoje defendem cortar a verba do Bolsa Família, são os mesmos que ficam falando que é preciso oferecer porta de saída", disse o ex-presidente.

"Quer saber? Deixa eles falarem, porque o Bolsa Família é como um bolo. Quanto mais bate, mais ele cresce", acrescentou.

Leia tudo sobre: ptmais médicosbolsa famíliaeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas