Lindbergh traça plano para atrair PRB e PROS no Rio de Janeiro

Por Nivaldo Souza - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Petista observa cenário para oferecer espaço para Miro Teixeira na cadeira para o Senado e participação do ministro Marcelo Crivella na campanha de Dilma

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) começa a montar cenários para compor sua chapa para a corrida pelo governo do Rio de Janeiro, agora que avançou na articulação para viabilizar sua candidatura. Entre as composições em estudo há a possibilidade do petista em convidar o deputado Miro Teixeira (PROS) para seu candidato ao Senado. Além disso, o petista cogita buscar um espaço político para o ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), fora da oposição a sua candidatura ao Palácio Guanabara em 2014.

Conheça a nova home do Último Segundo
Poder Online:
 PT traça plano para tirar Crivella da disputa e alocá-lo na campanha de Dilma

AE
Lindbergh Farias monta cenários para compor chapa para corrida pelo governo do Rio

Atrair Miro com apoio ao Senado seria uma forma de concentrar os palanques de PT, PMDB e PR para a presidente Dilma Rousseff. E diminuir o fracionamento dos votos estaduais aos candidatos ao governo estadual.

Miro afirma que não tem conversado com eventuais aliados depois de ter trocado o PDT pelo PROS para se lançar ao governo fluminense. Ele pode contar com o apoio de Marina Silva e Eduardo Campos para ter um palanque de peso no terceiro maior colégio eleitoral do país.

O deputado também estaria nos planos de Anthony Garotinho (PR), que também flerta com a possibilidade de tê-lo ao Senado. “Quando eu era jovem, ficava muito feliz em ser admirado pelas moças”, diz Miro, brincando com os supostos ‘noivados’ políticos.

Voto evangélico

Lindbergh também começa a traçar planos para tirar o ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), da disputa eleitoral. Entre as opções em discussão com o presidente do PT, Rui Falcão, o senador tenta encontrar um espaço de peso para o ministro na articulação política da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff com os movimentos religiosos.

A avaliação é de que Crivella, que é sobrinho do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, divide os votos do eleitorado evangélico com Anthony Garotinho (PR). Os evangélicos somariam 35% dos 12 milhões de votos no Rio, segundo avaliação interna do PT.

A atração de Crivella para o palanque de Lindbergh seria uma forma de atrair essa fatia de 4 milhões de votos religiosos. Para isso, colocar o posto de vice na chapa para o governo não é jogada descartada pelo PT do Rio. A segunda opção, contudo, é a última opção. A primeira é arrumar um lugar importante para Crivella na campanha de Dilma.

Briga com o PMDB

O PT do Rio vai decidir no dia 25 de novembro quando entregará os cargos mantidos no governo de Sérgio Cabral (PMDB). O ato marcará o fim da aliança com o PMDB, que pretende lançar o vice-governador Luiz Fernando Pezão à sucessão de Cabral.

Limite: Crivella comemora pesquisa de olho na rejeição

Os peemedebistas almoçaram na última quinta-feira com Rui Falcão no Palácio Guanabara. Depois do almoço, Falcão pontuou que “o dado da realidade é que há dois candidatos” apoiados pelo PT, em referência a Pezão e Lindbergh.

O presidente do PT esqueceu de mencionar Garotinho, com quem se encontrou um dia antes em Brasília para garantir espaço no palanque do líder PR para Dilma em 2014.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas