Dilma pode ter até quatro palanques no Rio

Por Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente espera apoio de Lindbergh Farias (PT), Luiz Fernando Pezão (PMDB) e Anthony Garotinho (PP); e também de Marcelo Crivella, se o ministro se candidatar

A presidente Dilma Rousseff (PT) pode ter até quatro palanques no Rio de Janeiro nas eleições do ano que vem. O tema dos múltiplos palanques no terceiro maior colégio eleitoral do País, com mais de 12 milhões de eleitores, está no cardápio do almoço de hoje entre o presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o governador Sérgio Cabral (PMDB).

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Lindbergh cobra saída imediata do PT do governo Cabral

São Paulo: Marinho vê mais chances do PT na disputa ao governo 

Segundo o vice-presidente do PT, Alberto Cantalice, Dilma espera apoio de pelo menos três candidatos ao governo do Rio: Lindbergh Farias (PT), Luiz Fernando Pezão (PMDB) e Anthony Garotinho (PP). “Mas pode ter quatro palanques se o (Marcelo) Crivella (PRB) for mesmo candidato”, disse Cantalice.

Na quarta-feira, Falcão se encontrou com Garotinho e, segundo relatos, confirmou que Dilma subirá no palanque do ex-governador que, nos últimos anos, se tornou desafeto dos petistas. Pouco antes, o presidente do PT esteve com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, também para acelerar os entendimentos visando a campanha do ano que vem. Na terça-feira, Falcão se reuniu com o presidente em exercício do PMDB, Valdir Raupp, e na segunda-feira estará com o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo.

O giro marca o início das articulações formais por alianças com vistas à eleição de 2014 iniciadas depois do fim do prazo legal para filiação partidária, encerrado no dia 5 de outubro.

Pesquisa: Cabral é o pior avaliado entre 11 governadores, diz CNI/Ibope

De acordo com Cantalice, Falcão e Cabral não devem falar sobre a possibilidade de o PT entregar os cargos que controla no governo do Rio. Segundo o dirigente, o desembarque do governo Cabral será decidido em reunião do diretório estadual do partido marcada para o dia 25 de novembro, depois, portanto, das eleições diretas para a nova direção partidária.

“Sou a favor da entrega dos cargos para que o governador Cabral possa fazer as alianças dele”, disse o vice-presidente petista.

Leia tudo sobre: ptrio de janeiropmdbrui falcãoeleições 2014dilma rousseffpalanques

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas