Contra espionagem, Dilma reduz presença de multinacionais no governo

Por Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Opção por sistema de e-mail nacional tira mercado de empresas como Microsoft e IBM, avaliadas pelo Planalto como ameaças à segurança

A decisão da presidente Dilma Rousseff de exigir a adoção de um sistema fornecido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) na administração federal vai reduzir o alcance de gigantes estrangeiras de tecnologia ao governo. Até agora, a ferramenta Expresso, desenvolvida pelo Serpro, sofria competição de empresas como Microsoft e IBM, tidas pelo governo como ameaça à segurança, como mostrou série de reportagens publicadas pelo iG sobre segurança de tecnologia da administração federal.

Conheça a nova home do Último Segundo

Com o anúncio feito pela presidente, a ferramenta do Serpro será padrão em órgãos de governo federais. A opção é parte da ofensiva de resposta do Palácio do Planalto ao esquema de espionagem praticado pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, como revelou o ex-técnico da CIA Edward Snowden. O risco de nova espionagem foi o que levou à decisão de estender a aplicação do modelo estatal de e-mail.

Risco: Dependência de tecnologia estrangeira abre brecha para espionagem no Brasil

Hoje, de acordo com levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgado no início do ano, a Microsoft tem fatia de 75% do mercado de emails corporativos, seguida da IBM, com o Lotus (12%), Linux Mail (6%) e do Gmail, do Google (5%). “Aqui no Ministério das Comunicações nós usamos Microsoft. Já avisamos à empresa que não vamos renovar o pedido de licença”, disse o ministro Paulo Bernardo, nesta segunda-feira (14), ao comentar a adoção do Expresso.

Atualmente, cada órgão federal tem liberdade para negociar com fornecedores de serviços de tecnologia, entre eles o gerenciamento de e-mail. O Expresso opera apenas cerca de 40 mil e-mails em parte da Presidência da República, Ministério da Fazenda (secretarias e órgãos especiais), Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, Ministério do Planejamento, Ministério do Meio Ambiente, entre outros órgãos federais.

O número de usuários da União é pequeno perto da folha de pagamento de 578.444 servidores da ativa, conforme dados de maio do boletim divulgado pelo Ministério do Planejamento. O Serpro cobra atualmente R$ 3,43 por conta de e-mail. Caso seja mantido o valor, a implantação para os 578.404 servidores ainda não atendidos pelo Expresso pode demandar um investimento anual de aproximadamente R$ 25,4 milhões por ano.

Microblog: Dilma anuncia proteção a e-mails oficiais contra espionagem

O governo fará a adoção do Expresso por meio de um decreto que será assinado pela presidente Dilma Rousseff nos próximos dias. A escolha do sistema ocorre após Dilma defender em sua conta no Twitter, neste final de semana, a “implantação de sistema seguro e-mails em todo governo federal”. “É preciso mais segurança nas mensagens para prevenir possível espionagem”, comunicou a presidente.

Armazenagem em nuvem

O sistema da estatal fica instalado em servidores virtuais do Serpro. O sistema foi desenvolvido com base em uma ferramenta de software livre alemã – isso facilita o controle do código-fonte pela estatal.

O Expresso está em sua terceira versão e oferece, além de 500 megabytes de espaço, ferramenta para videoconferência, agenda, catálogo de endereços e tarefas. Pode ser utilizado em tablets e smartphones. O Expresso V3 criptografa os e-mails que circulam em seu sistema de servidor em nuvem, o que dificulta o vazamento de informação.

Para atender a todos os quase 580 mil servidores, o Serpro precisará ampliar sua infraestrutura de hardware. Mas, pelo fato de o sistema utilizar como base o sistema de software livre, o governo deve economizar com a renovação de licença de operação pago a empresas privadas para usar suas ferramentas.

Leia tudo sobre: espionagemDilma Roussefgovernoe-mail

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas