Rede vai insistir em candidaturas próprias nos estados mais populosos

Por Nivaldo Souza - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Partido de Marina Silva vai discutir com o PSB uma mudança na estratégia que vinha sendo discutida por Eduardo Campos, incluindo aposta em territórios com poucas chances de vencer

A ex-senadora Marina Silva e o presidente do PSB e governador de Pernambuco Eduardo Campos se reúnem nesta quinta-feira (10) em São Paulo para desenhar a geografia dos palanques regionais que a dobradinha terá em 2014. O foco da Rede Sustentabilidade, partido ainda informal criado pela ex-senadora, é pressionar o PSB para que a legenda de Campos mude a rota estratégica que vinha discutindo nas alianças estaduais. "Havia estados em que o PSB estava em uma rota de coalizão e estamos discutindo candidaturas próprias", afirma o coordenador da Rede, Bazileu Margarido.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia também: Marina admite palanque duplo em Estados 

Pedro França/Futura Press
Ao se filiar ao PSB, Marina declara apoio ao presidenciável Eduardo Campos (05/10)


A proposta da equipe de Marina será pela construção de chapa para disputar os executivos estaduais em estados com mais votos, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. "Em estados mais populosos e com peso eleitoral maior é importante ter candidato", diz Margarido.

Em São Paulo, o PSB negocia uma coligação com o governador Geraldo Alckmin (PSDB). O nome do deputado Márcio França chegou a ser cotado como vice. A Rede, entretanto, tenta articular o nome do deputado Walter Feldman na eleição paulista.

Integrantes da Rede e do PSB se debruçaram sobre o mapa brasileiro na última terça-feira (8) para observar os estados onde pode haver entendimento e conflito. "Foi uma reunião para começar a fazer um balanço. Estamos juntos na coligação nacional e vamos discutir os Estados caso a caso para construir um caminho", diz o coordenador de Organização da Rede, Pedro Ivo Batista.

Os 60 mais poderosos: Marina Silva oferece riscos concretos aos adversários

Candidatura própria: Erundina defende candidatura do PSB em SP 

Há discordâncias em regiões como o Distrito Federal, onde o PSB trabalha uma candidatura do senador Rodrigo Rollemberg, conflitando com o marineiro José Antônio Reguffe (PDT), que acabou permanecendo em seu partido de origem.

Reguffe já começa a considerar como plano B disputar uma vaga no Senado, com ou sem o apoio de Marina. O discurso do coordenador da Rede é de que haverá apoio incondicional ao nome de Reguffe. “A Rede vai apoiá-lo ao que ele quiser”, diz Batista.

No Rio de Janeiro, o novo integrante do PROS Miro Teixeira entra na conta da Rede como um nome que pode vir a ser apoiado em 2014. "O Miro é um nome forte e é nosso amigo", diz Margarido.

Outra soluções devem demandar um apoio isolado de Marina. É o caso da ex-senadora Heloísa Helena (PSOL-AL), que se preparava para disputar um retorno ao Senado pela Rede. Ela é desafeto do PSB alagoano, o que exige empenho redobrado de Marina. "A Heloísa é amiga da Marina e da Rede e vamos pensar em como fazer (para dar apoio)", diz Batista.

Leia tudo sobre: marina silvaeduardo campospsbeleições 2014rede

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas