Câmara diz que vai cortar supersalários de 1.370 servidores a partir deste mês

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão foi tomada após TCU determinar o corte de quem recebe acima dos R$ 28 mil do teto; Senado fez o mesmo

Agência Brasil

A partir deste mês, os 1.370 servidores da Câmara dos Deputados entre ativos e inativos que recebem mais do que o teto do funcionalismo público, que é R$ 28.059,29, vão ter os seus vencimentos reduzidos ao teto do funcionalismo. Decisão nesse sentido foi tomada pela direção da Câmara após o Tribunal de Contas da União (TCU) determinar o corte nos vencimentos dos servidores que recebem mais do que o teto salarial.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Senado avisa que cortará ‘supersalários’, mas suspende devolução 

De acordo com a Diretoria-Geral da Câmara, o corte já consta da folha de pagamento deste mês, cujos salários serão depositados no próximo dia 24. Com o corte nos vencimentos dos que ganham acima do teto, a Casa fará uma economia mensal de R$ 6,5 milhões e uma economia anual de R$ 78,5 milhões, em valores atuais.

Levantamento feito pela Câmara, segundo a diretoria, na folha de pagamento do mês de agosto, receberam mais do que o teto salarial 676 servidores da ativa e 694 aposentados. Dos 676 servidores da ativa, 270 recebem a função gratificada acima do teto salarial, enquanto que mais 406 servidores terão desconto parcial da função.

Os cortes nos vencimentos dos servidores variam de R$ 50 a R$ 8 mil por mês, segundo dados da Câmara. No final do ano passado, a Casa corrigiu as irregularidades apontadas pelo TCU, mas entendeu à época que as gratificações [cargos comissionados] pagas aos servidores estariam fora do teto.

Também os servidores do Senado que recebem acima do teto salarial terão seus vencimentos reduzidos já a partir deste mês de outubro. A decisão foi tomada em reunião da Mesa Diretora da Casa.

Leia tudo sobre: câmarasupersaláriosteto constitucional

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas