Marina diz que ainda é "possibilidade" para a eleição de 2014

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Neoaliada de Eduardo Campos, ex-senadora afirma que "processo" irá definir a chapa. Para o governador de Pernambuco, existe "grande unidade" entre ambos

Pedro França/Futura Press
"Que possibilidade seremos o processo irá dizer", afirma Marina Silva

Recém-filiada ao PSB e com um capital político de 20 milhões de votos (recebidos em 2010), a ex-senadora Marina Silva disse ao jornal "Folha de S.Paulo" que tanto ela quanto o governador de Pernambuco (e agora parceiro de sigla), Eduardo Campos, são "possibilidades" para o pleito presidencial do ano que vem.

Conheça a nova home do Último Segundo

"Para nós não interessa agora ficar discutindo as posições. Nós dois somos possibilidades e sabemos disso. Que possibilidade seremos o processo irá dizer e estamos abertos a esse processo", afirmou Marina, que na sexta-feira (4) viu recusado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o registro de sua legenda, a Rede Sustentabilidade.

Leia também:
Os 60 mais poderosos: Marina Silva oferece riscos concretos aos adversários
Marina Silva oficializa entrada no PSB de Eduardo Campos
TSE rejeita criação da Rede, partido de Marina
Marina Silva passa mal e é levada a pronto-socorro de Brasília

Marina e Campos se encontram nesta quinta-feira para consolidar um documento programático da aliança. Em entrevista à rádio CBN nesta quarta (9), o governador disse que a parceria entre ambos está sendo criada com "muita tranquilidade".

"É impossível jogar Marina contra mim e eu contra Marina. Nós não vamos ter nenhum problema em definir qual será a chapa. Existe uma grande unidade entre a minha posição e a dela", disse Campos, para quem a união entre PSB e Rede "não tem mais volta".

Para Campos, a aliança "animou a política brasileira" e incomodou muita gente. "Estamos sintonizados para vencer essa coisa do bipartidarismo", disse, em alusão à polarização que PT e PSDB protagonizam desde o pleito presidencial de 1994.

No sábado (5), de forma surpreendente, Marina aderiu ao partido de Campos, cuja candidatura presidencial se consolidou após orientação para que o partido deixasse o governo Dilma - os ministros Fernando Bezerra, da Integração Nacional, e Leônidas Cristino, dos Portos, entregaram seus cargos.

"Tanto eu como o Eduardo discutimos que não íamos colocar isso (a candidatura presidencial) a priori, senão vamos contaminar o nosso debate. Não estamos discutindo, para além do que está posto, que é candidatura dele, quem vai ficar aqui e ali. Estou partindo do princípio que a candidatura dele está posta. Se a aliança prospera com ele, e a candidatura dele posta, a Rede terá ali o caminho da sua viabilização", disse a ex-senadora.

 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas