Governo reavalia estratégia para eleições 2014 após parceria PSB-Rede

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Ideia é opor perfil realizador de Dilma ao estilo "sonhático" de Marina Silva, que deve integrar chapa de Campos

Agência Estado

Pedro França/Futura Press
Ao se filiar ao PSB, Marina declara apoio ao presidenciável Eduardo Campos

O Palácio do Planalto já reavalia a estratégia para a sucessão presidencial de 2014 após o anúncio, no sábado (5), da aliança entre Marina Silva e Eduardo Campos. Petistas que integram o primeiro escalão da presidente Dilma Rousseff acreditam que ela terá de reforçar a tática de construção da imagem de realizadora.

A ideia é se opor ao perfil "sonhático" da ex-ministra do Meio Ambiente, que deverá integrar a chapa presidencial do PSB com o governador de Pernambuco. Um ministro de Dilma chega a brincar que ela terá de ser apresentada como a "realizática".

Leia também:
Entrevista: "Esta pode ser a eleição mais dura que o PT já enfrentou"
Filiação de Marina ao PSB mobiliza aliados de Aécio
Acordo entre Marina e Eduardo Campos foi fechado às pressas

A parceria entre Marina e Campos, dois ex-ministros do governo Luiz Inácio Lula da Silva, pegou de surpresa integrantes do governo Dilma. Os assessores do Planalto dizem que a presidente apostava que, sem ter conseguido registrar a Rede na Justiça Eleitoral por falta de assinaturas de apoio, Marina iria sair candidata pelo PPS. 

Dilma, Campos e Marina, o jogo sem a polarização do passado
Marina indica que quer disputar a Presidência, mas teme desgaste

No acordo com Campos, ainda não está claro quem será o cabeça da chapa. Apoiadores tanto de Marina quanto de Campos dizem que a ex-ministra topa ficar como vice. No anúncio de sábado em Brasília, a ex-ministra afirmou que iria "adensar o projeto de uma candidatura já posta".


Carisma e discurso
No Palácio do Planalto e no PT a avaliação é de que Marina leva para o palanque de Campos o carisma e também o problema de um discurso contra os investimentos na infraestrutura. Agora, a chapa informal PSB-Rede terá de mostrar como é possível garantir o crescimento da economia com a visão "sustentável" de Marina, diz um auxiliar da presidente.

Outro problema, segundo esse assessor, é a pressão dos aliados de uma possível candidata a vice que tem mais nome do que Campos - nas pesquisas de intenção de voto, ela está logo atrás de Dilma; o governador de Pernambuco aparece mais abaixo, sem atingir dois dígitos na preferência do eleitorado.

O discurso ambiental, área de Marina, será moldado para que o governo passe a impressão de preocupação ecológica sem, no entanto, ficar paralisado. Nas avaliações feitas pelo PT, Dilma é imbatível no discurso social, mas há preocupação com a recomposição da base no Nordeste, área de Campos. 

Leia tudo sobre: políticamarina silvaeduardo camposeleições 2014presidênciapsbrede

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas