Trocas partidárias devem reforçar oposição na televisão

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Aécio Neves, provável candidato do PSDB à Presidência, será o principal beneficiado pelo troca-troca de partidos ocorrido na Câmara de Deputados nos últimos dias

Agência Estado

Aécio Neves, provável candidato do PSDB à Presidência, será o principal beneficiado pelo troca-troca de partidos ocorrido na Câmara de Deputados nos últimos dias. Se conseguir fechar uma aliança com o recém-criado Solidariedade (SDD), o tucano ganhará cerca de 30 segundos em cada bloco de propaganda gratuita na TV em 2014. Ainda assim, terá menos tempo que José Serra teve em 2010.

Alan Sampaio / iG Brasília
Membros do PROS comemoram criação do partido, o 31º do País

No caso da presidente Dilma Rousseff, que não repetirá a coligação da campanha passada, o troca-troca serviu apenas para que ela não tivesse seu tempo de exposição diminuído. A atração de deputados para o PROS, que deve ficar na órbita governista, compensou a perda de parlamentares de partidos da base aliado para o SDD.

Leia também: Partidos recrutam famosos para repetir Tiririca em 2014

Se Dilma mantiver em sua aliança o PMDB, o PP, o PR e o PC do B, e além disso fechar um acordo com o PSD e o PROS, terá mais tempo no chamado palanque eletrônico do que em 2010, mesmo com a eventual perda do PDT para o lado do adversário Eduardo Campos, do PSB, prejudicado pela recente movimentação dos parlamentares, já que a bancada de seu partido encolheu.

Os últimos registros oficiais de troca de legendas apresentavam SDD e PROS com bancadas de 19 e 13 deputados, respectivamente. Esse número pode subir - algumas das filiações ocorridas nos últimos dias podem não ter sido notificadas à Câmara dos Deputados.

Poder Online:

PRB dará assessoria especial para candidatos-celebridades

Marcelinho Carioca será candidato a deputado estadual pelo PT-SP

Com base nos últimos registros, a provável coligação de Dilma deve ter cerca de 43% da propaganda eleitoral no rádio e na televisão (10 minutos e 40 segundos em cada bloco de 25 minutos). Aécio deve ficar com cerca de 19% (4 minutos e 50 segundos), e Campos, com cerca de 8% (2 minutos).

Essa conta leva em consideração apenas os partidos médios e grandes e a possibilidade de uma disputa com dez candidatos. Somados, os partidos nanicos que não devem lançar candidatos tem cerca de um minuto de exposição para negociar com os principais candidatos.

Pela Lei Eleitoral, dois terços do tempo de televisão dos candidatos são distribuídos com base no tamanho das bancadas na Câmara de todos os partidos que integram as coligações concorrentes. O terço restante é repartido igualmente entre todos os candidatos.

Essa brecha foi o que motivou o deputado federal Paulinho da Força, eleito pelo PDT de São Paulo, a começar a trabalhar pela criação de um novo partido em 2011. Trata-se do Solidariedade, que nasceu com discurso de oposição, apesar de quase todos os seus novos parlamentares terem, até o momento, seguido a orientação do governo em número significativo de votações no Congresso. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas