PPS diz a Marina que não aceita apoiar projeto com PSB

Por Agência Estado e iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

O PPS reagiu mal à decisão da senadora Marina Silva de formar uma frente de apoio à candidatura de Eduardo Campos num cenário com ela ingressando no PSB

Agência Estado

Alan Sampaio / iG Brasília
Marina Silva após TSE rejeitar o registro da Rede Sustentabilidade

O PPS reagiu mal à decisão da ex-senadora Marina Silva de formar uma frente de apoio à candidatura de Eduardo Campos num cenário com ela ingressando no PSB. Os dirigentes do partido, que participaram de reunião com Marina, não aceitaram um acordo nesse sentido.

A reportagem apurou que o presidente do PPS, deputado Roberto Freire (PE), disse à Marina que a escolha de ir para o PSB será um "desastre" para ela e a aconselhou a ingressar no PPS, onde teria liberdade de tocar o projeto de apoiar Campos, mas de forma independente e não "amarrada".

Poder Online:

Filiação de Marina ao PSB mobiliza aliados de Aécio

Acordo entre Marina e Eduardo Campos foi fechado às pressas ontem à noite

A ex-senadora teria ponderado, no encontro, que ao optar pelo PSB daria uma resposta ao Palácio do Planalto e aos seus críticos de que seu projeto é sair candidata a qualquer custo. No PSB, ela demonstraria que não sairá candidata à Presidência e que seu projeto é político. No encontro, Marina citou, várias vezes, Madre Teresa de Calcutá - por seu trabalho missionário.

Leia também: TSE nega pedido para anular registro do Solidariedade

Conforme integrantes do PPS, "o projeto dela com a legenda está inviabilizado". Freire afirmou a Marina que esse gesto dela será aplaudido apenas no primeiro mês, mas depois será considerado um suicídio político.

AE
O presidente do PPS, Roberto Freire

Ex-favorito

Embora o PDT e o PEN também estivessem no páreo, o PPS despontava como o favorito de Marina. Aliados da própria ex-senadora  indicavam que ela flertava com mais vontade com a proposta do PPS. É que o partido liderado por Freire teria oferecido uma "carta de alforria", como classifica um dos interlocutores de Marina, que seria o compromisso para não buscar na Justiça o mandato de parlamentares do grupo da ex-senadora eleitos em 2014. O mesmo valeria para Marina em caso de vitória contra Dilma.

Mais: Regras para eleições de 2014 começam a valer neste sábado

Ontem, Freire reiterou em seu perfil no Twitter o convite a Marina: "Reafirmo convite do PPS para que junto com a Rede se integre conosco para se candidatar e disputar 2014!".

 

Leia tudo sobre: POLÍTICA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas