Ao dar as boas-vindas à ex-senadora Marina Silva, o governador de Pernambuco afirmou que a decisão vem com a intenção de 'enterrar a velha política no Brasil'

Aclamado como candidato à Presidência, o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, afirmou neste sábado (5) no evento de filiação da ex-senadora Marina Silva e membros da Rede ao seu partido, que a aliança quebra a "falsa polarização na política brasileira" entre PT e PSDB. "Os que pensavam que o julgamento num tribunal mataria a Rede, veem ela se agigantar hoje", disse Campos sobre a derrota do partido de Marina no TSE.

Decisão: Marina Silva oficializa entrada no PSB de Eduardo Campos

Leia mais: Membros da Rede que ficaram sem partido também se filiam ao PSB

Campos disse ainda que a decisão de abrir as portas para a Marina e a Rede vem com a intenção de "enterrar a velha política no Brasil" e dá as boas-vindas à ex-senadora: “Esse seu ato é de uma coragem que não é a decisão mais fácil. Não é a decisão que preserva a sua persona, os jovens pelo país que te acompanharam nessa caminhada. Não é a mais conveniente, talvez não seja a de maior agrado para quem vê essa cena, mas é a que mais contribui para que o brasil efetivamente mude e a gente possa enterrar a velha política no Brasil.

Marina e Campos selam aliança para as eleições de 2014
Pedro França/Futura Press
Marina e Campos selam aliança para as eleições de 2014

E ressaltou a união dos dois na campanha do próximo ano: “Vamos andar o Brasil juntos, lado a lado, para espalhar a esperança no nosso povo, para convocar as pessoas para mudar o Brasil para melhor. Cuidar do desafio da qualidade de vida, econômico, da produtividade. Cuidar do que o Brasil clama. A minha palavra de boas-vindas: que possamos na convivência ter a marca da solidariedade, a franqueza. A muitos não interessa, mas ao Brasil e à boa política isso tem de dar certo. Vamos cuidar da Rede, do PSB e principalmente do Brasil. Dá pra fazer mais e melhor", disse em seu discurso.

Desfecho: Marina se filia ao PSB com proposta para ser vice de Campos

Análise: Marina decepciona e perde se aceitar ser vice no PSB de Campos

Pesquisa Ibope: Dilma sobe a 38% e Marina cai para 16%

Campos também fez referência às manifestações de junho. “Quem entendeu o que as ruas do Brasil em alto e bom som disseram ao mundo não tem nenhuma dificuldade em entender o que ocorre aqui hoje. O que ocorre aqui hoje é o desejo de discutir o Brasil, é o desejo de seguirmos buscando na sociedade um diálogo distinto como ocorria ontem. Que agora conta com nova plataforma, onde todos querem participar e construir o caminho e a pauta real do século 21 na grande nação brasileira”, afirmou o governador.

Poder Online:

Filiação de Marina ao PSB mobiliza aliados de Aécio

Acordo entre Marina e Eduardo Campos foi fechado às pressas ontem à noite

O governador afirmou que, desde ontem, quando começaram as conversas com Marina, teve "uma das maiores lições de vida em conversas muito tranquilas e profundas". "Discutimos aquilo que a política brasileira abandonou: o povo, a esperança, a leveza que falta e o sonho de transformar esse País." Campos destacou que o PSB reconhece a criação da Rede como algo importante para a política brasileira. "Nós reconhecemos a Rede como algo necessário para melhorar a política no Brasil. O que ocorre aqui hoje é o desejo de discutir o Brasil, distinto do diálogo que ocorria ontem. Não é mais o diálogo em que as velhas lideranças falavam para a gente, mas onde todos querem participar e construir."

Com Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.