Aécio diz que decisão de Marina é resposta a 'ações autoritárias do PT'

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidenciável tucano diz que a decisão da ex-senadora 'fortalece o campo político das oposições e contribui para o debate de ideias e propostas'

O presidenciável e presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse em nota que a filiação de Marina Silva ao PSB é uma "resposta às ações autoritárias do PT", especialmente aos "membros do partido que chegaram a comemorar antecipadamente a exclusão da ex-senadora do quadro eleitoral do próximo ano, com a impossibilidade de criação da Rede". Ele diz que a decisão de Marina "fortalece o campo político das oposições e contribui para o debate de ideias e propostas".

Decisão: Marina Silva oficializa entrada no PSB de Eduardo Campos

Negociação: Adesão de Marina ao PSB foi resposta estratégica ao Planalto

Leia mais: Membros da Rede que ficaram sem partido também se filiam ao PSB

A ex-senadora oficializou a decisão neste sábado (5) ao lado do governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Marina fez questão de dizer que a candidatura do PSB "está posta", deixou claro que não será candidata a presidente, mas não confirmou se será vice na chapa que será encabeçada por Campos, embora esse seja o cenário mais provável. A ex-senadora hoje aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto e carrega consigo o capital político de 20 milhões de votos obtidos nas eleições de 2010. Já Campos está em quarto nas sondagens atrás de Aécio.

A notícia da aliança também pegou de surpresa a equipe que já trabalha na pré-campanha de Aécio e aumentou a convicção na oposição de que haverá segundo turno. “É muito difícil que, no Brasil, uma operação política dessa magnitude tenha sido conduzida nesse vulto", destacou o senador tucano Aloysio Nunes (SP), que já acompanha Aécio em suas viagens de fim de semana pelo país.

Análise: Marina decepciona e perde se aceitar ser vice no PSB de Campos

Pesquisa Ibope: Dilma sobe a 38% e Marina cai para 16%

Embora o discurso oficial de aliados de Marina e Campos os mantenha como pré-candidatos ao pleito de 2014, "marineiros" já admitem que a ex-ministra pode ocupar a vaga de vice na chapa do governador pernambucano.

Para o senador tucano, ainda é cedo para avaliar os impactos diretos da decisão nas intenções de voto de cada candidato. "Agora vamos ter duas candidaturas muito fortes de oposição ao governo. Dessa forma, com certeza teremos o segundo turno.", ressaltou o tucano. É o contrário da aposta do marqueteiro da presidente Dilma, João Santana, que tem repetidas vezes demonstrado confiança em uma vitória no primeiro turno. "É impossível que, com esse cenário que se monta, a disputa fique no primeiro turno."

Leia tudo sobre: aécio nevesmarina silvaeduardo camposeleições 2014psbpsdbrede

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas