Leônidas Cristino deixa comando da Secretaria Especial de Portos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ministro deixa o cargo após decisão do seu partido, o PSB, de desembarcar do governo Dilma e abrir caminho para a candidatura de Eduardo Campos à Presidência

O ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos, Leônidas Cristino, pediu para deixar o cargo e será substituído interinamente pelo atual secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Antonio Henrique Silveira, informou a Presidência da República.

Ministério: Bezerra confirma saída do ministério da Integração Nacional

Eduardo Campos em resposta aos irmãos Gomes: 'Eles têm que saber perder'

Leia também: Cid Gomes confirma saída do PSB e se filia ao PROS

Esplanada: Dilma garante a Cid indicação nos Portos 

Agência Brasil
Leônidas Cristino, dos Portos, deixa o governo

A saída de Cristino acontece depois de o PSB, partido que o indicou ao cargo, decidir deixar o governo da presidente Dilma Rousseff, abrindo caminho para uma candidatura do presidente da legenda e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, ao Palácio do Planalto no ano que vem.

Leia a íntegra da nota

O ministro-chefe da Secretaria de Portos da Presidência da República, Leônidas Cristino, decidiu deixar o cargo depois de prestar competente contribuição ao governo e ao país.

Leônidas Cristino foi fundamental na elaboração e aprovação do histórico Marco Regulatório dos Portos, a mais importante reforma logística do país nos últimos tempos. Com a nova Lei dos Portos, o setor ganhou competitividade, segurança jurídica e capacidade para atrair mais investimentos para atender a demanda crescente do país.

A presidenta Dilma Rousseff lamentou a saída do ministro. A presidenta disse ter certeza que Leônidas Cristino seguirá prestando relevantes serviços ao Brasil.

A secretaria de Portos da Presidência da República será ocupada, interinamente, pelo economista Antonio Henrique Pinheiro Silveira, atual secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda.

Com Reuters


Leia tudo sobre: MANCHETESPOLITICAPORTOSTROCA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas