Diretor da ANS que trabalhou para plano de saúde pede demissão

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Elano Figueiredo, que havia omitido o dado em currículo, pediu exoneração após a Comissão de Ética Pública da Presidência da República recomendar sua destituição

Agência Estado

O diretor da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Elano Figueiredo pediu exoneração do cargo nesta quinta-feira (3) após a Comissão de Ética Pública da Presidência da República recomendar sua destituição. O processo foi aberto com base em reportagem do jornal "O Estado de S.Paulo" que revelou, um dia depois de ele tomar posse, que ele omitiu do currículo público a informação sobre ter trabalhado para a operadora de saúde Hapvida. O currículo foi encaminhado pela Presidência da República ao Senado no processo de sabatina e é uma das referências dos senadores para avaliação do nome.

Leia também: ANS pode ser multada em R$ 10 mil em ação sobre bloqueio de planos de saúde

A revelação do jornal provocou uma série de manifestações de órgãos de defesa do consumidor que pediram a saída de Elano. É a primeira vez que um diretor da ANS deixa o cargo sob questionamentos éticos.

O jornal também revelou que Elano assinou dezenas de ações em defesa da Hapvida, quando trabalhou para a empresa com carteira assinada, contra a ANS. Ele havia justificado que não incluiu o trabalho para a operadora porque apenas advogou para a empresa, mas o jornal revelou que ele foi diretor, com carteira assinada.

Em nota, Elano afirma que a decisão da Comissão de Ética foi "equivocada", não apontou conflito de interesse e, mesmo assim, pediu sua destituição. A comissão ainda não divulgou oficialmente sua determinação. O pedido de análise do caso pela comissão foi determinado pela presidente Dilma Rousseff logo após a revelação do fato.


Leia tudo sobre: anselano figueiredoexoneração

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas