Com futuro incerto, deputados que colaram em Marina buscam plano B

Por Nivaldo Souza - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Risco de a Rede Sustentabilidade não receber aprovação do TSE movimenta parlamentares tidos como certos na bancada da legenda ensaiada pela ex-senadora

As dificuldades enfrentadas pela Rede Sustentabilidade para receber a aprovação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por não ter conseguido certificar 50 mil das 492 mil assinaturas de apoiamento de eleitores exigidas em lei começa a levar deputados que apoiaram a ex-senadora Marina Silva a procurar uma alternativa à legenda da pré-candidata à Presidência da República.

Embora se manifestem oficialmente com otimismo em relação às chances de criação da sigla, os deputados federais Alfredo Sirkis (PV-RJ), Domingos Dutra (PT-MA), Miro Teixeira (PDT-RJ), Walter Feldman (PSDB-SP) e José Antônio Reguffe (PDT-DF) conversam com colegas da Câmara sobre os rumos que podem tomar caso o registro do partido seja negado pelo TSE na sessão desta quinta-feira (3)

Marina: Sinalizar com outro partido seria denunciar a própria desconfiança

Ministro do TSE: Situação do partido de Marina Silva é muito difícil

Partido de Marina: Ministério Público se manifesta contra registro da Rede

Articulador da Rede no Maranhão, onde pretende disputar uma vaga no Senado pelo partido de Marina, o deputado Domingos Dutra (PT) pode ir parar no PSB do presidenciável Eduardo Campos, atualmente governador de Pernambuco. “Eu tenho uma simpatia grande pelo governador Eduardo. Ele tem um passado muito bom, eu conheci o avô dele (Miguel Arraes, ex-governador pernambucano)”, diz.

Agência Brasil
Marina Silva tenta viabilizar a Rede Sustentabilidade a tempo das eleições de 2014


Segundo Dutra, o fato de “a base do PSB no Maranhão ser a mesma do PT” – integrada por pequenos agricultores – amplia o poder de atração pessebista. Ele garante que não fica no PT, já que, de acordo com o deputado, a legenda “está no curral do Sarney”. “O caminho é a Rede, porque ajudei nas assinaturas, mas sempre deixei claro que a minha ajuda não estava condicionada à filiação. Eu só me filio dependendo de como vão tratar o Maranhão”, afirma.

Articulador da Rede: Walter Feldman entrega pedido de desfiliação do PSDB

Ele garante que ficaria na Rede somente depois de Marina assumir o compromisso de apoiar Flávio Dino (PCdoB-MA) para o governo maranhense. A pré-candidata à Presidência, contudo, tem demonstrado mais afinidade em relação à deputada estadual Eliziane Gama (PPS-MA), que pretende disputar a sucessão de Roseana Sarney.

A proximidade de Marina e Liziane teria sido o motivo para o deputado Simplício Araújo trocar a filiação quase acertada com a Rede pelo Solidariedade, partido criado na semana passada pelo deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força Sindical. “Ela (Liziane) tem uma ligação muito boa com a Marina, também é evangélica e faz um bom mandato”, observa Dutra.

Expulsão

Walter Feldman (PSDB-SP) afirma que, com ou sem a criação da Rede, não deve disputar novamente uma vaga na Câmara em 2014. Articulador do novo partido de Marina, Feldman entregou nesta quarta-feira o seu pedido de desfiliação do PSDB. Sem legenda para concorrer em 2014, o abrigo no partido da ex-senadora e o apoio dela aos planos de disputar o governo de São Paulo teriam efeito de renascimento político para Feldman.

Diante da possível recusa do TSE sobre a criação da Rede, Feldman tem sido visito nos corredores da Câmara em conversas com Paulinho da Força. O deputado nega negociar abrigo no Solidariedade, afirmando que se manterá neutro caso a Rede não saia. “Eu não tenho conversado sobre a candidatura (com Marina). Estarei com a Marina aonde ela for”, diz.

Congresso: Interessados no troca-troca eleitoral buscam alternativa à Rede

Alfredo Sirkis (PV-RJ) é outro nome certo na Rede, da qual tem reiterado publicamente ser um dos fundadores, e pode ficar sem legenda para se manter na Câmara após 2014. Segundo ele, a executiva nacional do PV já sinalizou que não pretende lhe dar abrigo para renovar o mandato de deputado federal em função da campanha aberta pró-Rede. “Eles têm falado, mas nada foi formalizado”, pondera.

Sirkis diz confiar na aprovação pelo TSE e afirma que não se aproximou de nenhum outro partido. “Se a Rede não sair será outra realidade e vamos ter de avaliar”, diz.

Estacionados no PDT

Outro deputado que tem como plano A o ingresso na Rede, José Antônio Reguffe aos poucos se rearticula para continuar no PDT. Candidato do partido de Marina para disputar o governo do Distrito Federal, ele teria articulado a filiação de vários políticos de Brasília ao novo partido, para, assim, fortalecer sua chapa contra o atual governador Agnelo Queiroz (PT-DF).

O problema é que o grupo atraído por Reguffe estaria frustrado com a lentidão do processo de criação da Rede, ameaçando não se filiar em cima da hora na sexta-feira (4) – único dia útil que a Rede terá para formalizar o ingresso simpatizantes com mandatos ou dispostos a concorrer em 2014, caso consiga o registro no TSE.

O deputado nega estar negociando tanto com a Rede quanto com o PDT. Apesar da negativa, o Reguffe recebeu o na tarde de ontem senador Cristovam Buarque para um café na Câmara. Cacique do PDT no Distrito Federal, Buarque já afirmou ao iG que quer Reguffe como candidato ao governo distrital.

Miro Teixeira (PDT-RJ) é outro apoiador da Rede que deve permanecer no partido atual caso o novo partido naufrague. O deputado tem tomado o cuidado de declarar que apenas que apoia a criação da legenda de Marina por princípios democráticos e que o endosso não está atrelado a uma filiação. Com isso, segundo amigos do deputado, ele acredita arrefecer ânimos de pedetistas dispostos a acusá-lo de infidelidade partidária, como ocorre no PSDB com Feldman, mantendo a legenda atual como casa segura em caso de naufrágio da Rede.

Filiações interesseiras

Caso a Rede Sustentabilidade seja autorizada pelo TSE, o partido de Marina pode nascer com a menor bancada de deputados entre as legendas novatas autorizadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – a Corte Suprema já permitiu a criação do PROS e Solidariedade. Em reservado, um dos idealizadores da Rede diz acreditar que será difícil chegar a 10 deputados.

O quadro põe em dúvida a capilaridade estadual que a legenda pode atingir na corrida presidencial do próximo ano. O cenário levou a Rede a montar um “grupo de prospecção” que pretende trabalhar intensamente na sexta-feira, caso o TSE conceda o registro. O grupo prepara as fichas de filiação de personalidades políticas que já manifestaram interesse em migrar para o partido, incluindo assessoria no processo de desfiliação de partidos atuais.

Leia mais: Solidariedade tira 17 parlamentares da base da presidente Dilma

Críticos internos da Rede avaliam que Marina devia ter iniciado a coleta de assinaturas e a apresentação do processo no TSE em 2011, a tempo de construir uma base de vereadores e prefeitos capaz de atrair um número consistente de deputados federais e senadores para sustentar a disputa de 2014. Marina disse ao iG que evitou as “filiações interesseiras” do troca-troca partidário (veja o vídeo abaixo), afirmando que seu partido deve filiar apenas quadros identificados com o programa partidário e ideológico delineado por ela.

Marina Silva: Rede evita 'filiações interesseiras'


Leia tudo sobre: marina silvacriação de partidosredetse

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas