Ministério Público descobre trabalho escravo em construção em São Paulo

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Empresa responsável pelo alojamento de 66 trabalhadores em condição degradante é a mesma construtora envolvida no desabamento de um prédio na zona leste

Brasil Econômico

Denúncias de trabalho escravo são detectadas no Brasil, normalmente, no interior de Estados como Rondônia, Mato Grosso ou Mato Grosso do Sul. Não costumam ocorrer com frequência nos grandes centros urbanos. Mas o Ministério Público do Trabalho descobriu, no último dia 9, o caso de 66 trabalhadores em condição degradante "análoga à de escravo" no alojamento de uma construção em Santo Amaro, na zona sul paulistana. Trazidos do Maranhão, os operários corriam risco de morte, de acordo com o MP. A empresa responsável pelo alojamento é a construtora Salvatta Engenharia, a mesma envolvida no desabamento de um prédio no dia 27 de agosto, na zona leste de São Paulo, que matou dez pessoas e deixou dezenas de feridos.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Ontem, foi denunciada a situação de mais 111 trabalhadores vindos do Maranhão, Sergipe, Bahia e Pernambuco que trabalhavam "em situação análoga à de escravos" em obras do Aeroporto de Guarulhos. O caso de Santo Amaro está nas mãos da juíza federal do Trabalho Mylene Pereira Ramos. "Os operários não estavam limitados ao seu direito de ir e vir. Mas trabalhavam em situação humilhante. Tinha comida no chão", contou a juíza. Ela determinou o bloqueio dos bens dos responsáveis pela situação dos operários na zona sul e também pelo desabamento. Entre os bens, estão imóveis e 18 carros de luxo, como Porsche, BMW e Mercedes-Benz. O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região tem conseguido atuar rapidamente nesses casos, graças à criação, no ano passado, da Vara Itinerante de Combate ao Trabalho Escravo.

As denúncias contra Rosemary

Além das onze irregularidades apontadas pela Controladoria Geral da União (CGU) - entre elas recebimento de propina, tráfico de influência e falsificação de documentos - para pedir a destituição do serviço público de Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, existem outras denúncias que não vieram a público. Segundo relatos, ela teria intercedido para conseguir que uma entidade ocupasse um imóvel pertencente à União e também ajudado uma empresa privada a firmar parcerias com prefeituras de várias regiões do País para a exibição de filmes. Para isso, teria usado o nome do Ministério da Cultura.

PL fica para 2015

Sindicalistas conseguiram uma vitória: o projeto de lei 4330/04 sobre terceirização no País será votado na Câmara dos Deputados somente em 2015. A proposta foi feita pelo líder da bancada do PT, José Guimarães (CE). Ele negociou a retirada da pauta com parlamentares.

ONG participa de campanha mundial

A ONG Associação Saúde Criança, do Rio de Janeiro, participará, entre o próximo dia 30 e 22 de novembro, do evento Skoll Foundation Social Entrepreneurs Challenge - a maior competição do mundo de crowdfunding (campanha de arrecadação de recursos on-line). Dependendo de quanto arrecadar, a entidade concorre a prêmios da Skoll Foundation. Essa organização se comprometeu a doar US$ 1 milhão, a serem divididos entre 57 organizações sociais.

Experiência é considerada inovadora

A Saúde Criança é dirigida pela médica carioca Vera Cordeiro. Considerado inovador, o projeto busca a reestruturação e o autossustento das famílias de crianças em risco social, que procuram as unidades públicas de saúde. A ONG foi eleita pela revista suíça The Global Journal a melhor da América Latina e a 45ª. do mundo, por duas vezes, em 2012 e 2013.

Leia tudo sobre: mosaico políticotrabalho escravo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas