MST prepara para o próximo mês marchas e ocupações em todo o País

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Visto como um aliado do governo petista, o movimento agora pretende radicalizar. O lema da campanha é ‘Dilma, cadê a reforma agrária?’

Brasil Econômico

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fará em outubro uma jornada pela reforma agrária com ocupações, marchas e fechamento de ruas e estradas em todo o País. Visto como um aliado do governo petista, o movimento agora pretende radicalizar. O lema da campanha é “Dilma, cadê a reforma agrária?”. O coordenador nacional do movimento, João Paulo Rodrigues, diz que, para a reforma agrária, o governo Dilma “é o pior no Brasil desde o governo Geisel”. Segundo ele, é o que menos desapropriou imóveis rurais para fazer a reforma agrária nos últimos 20 anos. Na primeira metade do mandato de Dilma, 86 áreas foram destinadas para assentamentos, segundo o MST. O movimento apresenta números para dizer que Dilma desapropriou bem menos que os antecessores.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Comparado ao mesmo período das administrações anteriores desde o governo Sarney (1985-90), o número supera só o de Fernando Collor (1990-92), que desapropriou 28 imóveis em 30 meses. Em 2008, ocorreram 243 desapropriações no País. No primeiro ano do governo Dilma foram 58 e, no ano passado, apenas 28. Em 2013, não foi registrada nenhuma até o momento, de acordo com o MST. Em 2008, havia 70 mil famílias assentadas no País. O número foi caindo. Em 2009 eram 55 mil; em 2010, 39,5 mil; em 2011, 22 mil; e no ano passado, 23,1 mil. Outro integrante da coordenação do MST, Alexandre Conceição, diz que o governo abandonou a reforma agrária e deixou de cumprir sua obrigação constitucional. Conforme o movimento, dados do Incra mostram que, atualmente, há mais de 180 milhões de hectares classificados como grande propriedade improdutiva no País.

Serra não levará aliados

Tucanos dão como certo que “serristas” como Aloysio Nunes Ferreira e Alberto Godman não sairão do PSDB, caso José Serra migre para o PPS. O primeiro, por ser senador (poderia até perder o mandato) e o segundo, por ocupar a ser vice-presidência nacional do PSDB.

Skaf em inserções do PMDB na TV

Na sexta-feira, começam a ser veiculadas as novas inserções do PMDB paulista no rádio e na TV. A “estrela” é o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, pré-candidato ao governo. No dia 27, um encontro em Bauru irá “reafirmar” a candidatura de Skaf.

Encontro em Miami

Os deputados federais Arnaldo Jardim (PPS-SP), Carlos Alberto Léreia (PSDB-GO) e Walter Feldman (PSDB-SP) participarão do 18º. Meeting Internacional, evento do LIDE, em Miami, entre os dias 26 e 29. Discutirão temas como turismo e etanol.

Celso de Mello, ministro do STF, que decidirá sobre os embargos infringentes: "Da maneira que está sendo veiculado dá a impressão que o acolhimento vai representar absolvição ou redução de pena automaticamente, e não é absolutamente nada disso".

Apoio ao conselhos tutelares

A Câmara Municipal de São Paulo organizou um encontro para discutir as condições e a infraestrutura dos Conselhos Tutelares a fim de melhorar o atendimento às crianças e adolescentes. Conselheiros atuam em condições precárias em São Paulo e em grande parte do País. Foi proposto um plano de construção de sedes. Participantes relataram a “situação crítica”.

PTB cria conselho para opinar em “momentos difíceis”

O PTB de São Paulo criou um conselho político, com 33 integrantes , para aconselhar o partido nos “momentos difíceis”. Entre outros, integram o conselho o ex-secretário de Habitação do município de São Paulo Lair Krahenbuhl; José Maria Marin, presidente da CBF; Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol, e Luiza Nagib Eluf, promotora.

Leia tudo sobre: mosaico políticomst

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas