PSDB não quer prévias para definir candidato à Presidência em 2014

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Publicamente FHC, Alckmin e Aécio defendem a disputa interna, mas somente Serra quer, de fato, tal processo

Brasil Econômico

Se qualquer cidadão perguntar a uma liderança do PSDB se é a favor de prévias no partido, a resposta será sim. A proposta, afinal, está no estatuto do partido. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador Geraldo Alckmin e o pré-candidato ao Planalto Aécio Neves defenderam publicamente a ideia. Mas os tucanos, decididamente, não querem prévias para escolher o seu candidato à presidência. Somente Serra quer, de fato, o tal processo. Se ele ficar no partido e bater o pé exigindo, elas poderão ser realizadas. Mas os principais líderes tucanos vão tentar demovê-lo da ideia. Vão dizer a ele que o PSDB não pode sair dividido para a acirrada disputa com o PT. Entre os tucanos, há uma avaliação de que Serra dará um tiro no pé se sair do partido.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Se for para o PPS, por exemplo, terá escassos minutos na televisão. Serra convenceu-se de que tem o perfil ideal para ser o candidato da oposição, principalmente após as manifestações de rua de junho. Julga ter as qualidades exigidas por setores da classe média, como experiência política e administrativa e conhecimento da economia. Aécio seria o novo, o desconhecido. Marqueteiros ligados ao PSDB, como Luiz Gonzales, o avisaram de que não teria chances de conseguir a vaga tucana dessa vez. Mesmo com bons índices nas pesquisas, Serra tem uma grande rejeição. Assim, o espaço foi ocupado por Aécio. Alckmin evita declarações, mas está com Aécio. Até o dia 7 de outubro, prazo determinado pela legislação para que candidatos definam a sua legenda, os tucanos aguardarão a definição do ex-governador.

Metrô de SP: promotor deve oferecer denúncia

O promotor Marcelo Milani, do Ministério Público de São Paulo, deve apresentar denúncia contra o Metrô paulista e empresas como a Alstom e Siemens no caso da reforma de 98 vagões das linhas 1 e 3.

Mais caro reformar do que comprar

A reforma dos trens, alguns com mais de 30 anos, teve um custo de 80% do valor de trens novos, segundo o deputado licenciado Simão Pedro (PT). O total da reforma: R$ 1,7 bilhão. Especialistas concluíram ser antieconômico.

Secretário vai falar na Assembleia

O secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, Jurandir Fernandes, dará explicações na Assembleia de SP, no dia 24, sobre as denúncias do suposto cartel na venda de trens. Será ouvido nas comissões de Transportes e Infraestrutura.

Deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), sobre parecer favorável de grupo da Câmara ao mandato de cinco anos para todos os cargos, exceto senadores: "Não havendo mais o direito de reeleição, o mandato de quatro anos ficaria curto”

Sirkis defende sistema misto

O deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ) apresentará no grupo de trabalho da reforma política da Câmara, na quinta-feira, proposta para estabelecer um sistema eleitoral misto, proporcional e majoritário, com grandes distritos plurinominais (que não elege só um). O eleitor tem dois votos, um para escolher a legenda e outro para um candidato local.

Proposta é inspirada em sistema alemão

Na proposta - inspirada em experiência alemã -, 50% dos deputados e vereadores são eleitos por sistema proporcional, com voto de legenda em lista preordenada e 30% de participação feminina obrigatória. Há limite de gastos para doadores, fixados pela Justiça Eleitoral. Empresas só podem doar para os partidos. Outras sete propostas serão apresentadas.

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas