Ministro diz ter 'crença histórica' de que mensalão não teve recursos públicos

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Para Gilberto Carvalho, esquema foi um caixa 2 eleitoral que deve ser punido

Agência Brasil

Elza Fiúza/ ABr
O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, disse hoje (16) ter “crença histórica” de que não houve uso de recursos públicos no caso investigado pela Ação Penal 470, o processo do mensalão, que está sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Para ele, esses recursos têm como origem o caixa 2 de empresas para financiamento de campanhas eleitorais, prática que, segundo o ministro, foi um erro e, como tal, carece de punição.

Leia mais:

Futuro do julgamento do mensalão fica nas mãos de Celso de Mello

Réus que deixaram julgamento do mensalão para trás tentam retomar vida normal

“Tenho uma crença histórica de que não houve uso de recursos públicos, e sim um erro que tem de ser punido, todos sabemos, de uso do caixa 2 em eleições e processos eleitorais. É disso que se trata, a meu juízo. Qualquer desvio tem de ser punido”, disse o ministro após participar do lançamento do Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência na Presidência da República.

Segundo Carvalho, o governo está numa posição de expectativa em relação ao julgamento. “Vamos esperar. Não vamos fazer nenhum juízo de valor." O ministro ressaltou que tem acompanhado o processo, mas prefere não dar nenhuma opinião. "Não cabe neste momento.”

Nesta quarta-feira (18), o ministro Celso de Mello, decano do STF, decidirá se são cabíveis os recursos que pedem novo julgamento para 12 réus condenados na Ação Penal 470. A votação sobre a possibilidade de novo julgamento está empatada em 5 a 5.

Leia tudo sobre: MensalãoJulgamento do mensalão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas