Polícia Legislativa deve continuar apuração para identificar falsário que registrou o deputado Zoinho (PR-RJ) na sessão do Congresso que derrubou veto de Dilma

O Congresso Nacional vai reunir deputados e senadores na próxima terça-feira (17), para apreciar uma nova rodada de vetos da presidente Dilma Rousseff com uma sombra de dúvidas sobre a lisura do voto secreto. Isso porque o procurador Francisco Guilherme Bastos, do 10º Ofício Criminal da Procuradoria da República no Distrito Federal, vai exigir da Polícia Legislativa uma nova investigação sobre a falsificação da assinatura do deputado Zoinho (PR-RJ) na lista de votos da sessão de derrubada do veto presidencial sobre a redistribuição dos royalties do petróleo realizada em 6 de março.

Leia mais: Polícia da Câmara aponta fraude na votação de vetos sobre royalties

Parlamentares dos Estados produtores protestam em sessão do Congresso para analisar veto aos royalties
Agência Câmara
Parlamentares dos Estados produtores protestam em sessão do Congresso para analisar veto aos royalties

A Polícia Legislativa encaminhou ao Ministério Público Federal, conforme noticiou nesta sexta-feira (13) o site Congresso em Foco, um inquérito no qual constatava a falsificação e pedia o arquivamento do caso por não ter conseguido identificar o falsário.O procurador vai pedir continuidade da investigação, exigindo a realização de oitivas com servidores que possam ter rubricado a lista da votação em lugar do deputado.

A constatação da falsificação ocorreu seis meses após a sessão na qual os estados produtores de petróleo foram prejudicados com o novo modelo de partilha dos royalties. O pedido de verificação da assinatura foi feito pelo deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), depois que Zoinho revelou que havia tomado voo para o Rio de Janeiro depois da votação, na qual foi registrado o voto em seu nome.

Renan manterá sessão

A assessoria técnica do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), já trabalha com o argumento de que apenas uma assinatura foi falsificada no âmbito de 350 votos dados por deputados e 63, de senadores. A avaliação é de que só uma das 12 urnas (9 na Câmara e 3 no Senado) sofreu a fraude e isso não é suficiente para anular a sessão, como pede Garotinho.

Leia também: Briga por paternidade trava aprovação do voto aberto no Senado

Não há na história do Congresso uma anulação de sessão de apreciação de veto presidencial, o que só ocorre após votação conjunta por senadores e deputados em uma única reunião.

Apesar do histórico favorável, o procurador Bastos espera a nova investigação e as oitivas para definir, após 90 dias, se pedirá a anulação da sessão. A decisão final, contudo, será de Renan, a cabe a última palavra em função da independência entre os poderes Legislativo e Judiciário.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.